Rafael Arbex/Estadão e Ivan Storti/Santos FC
São Paulo recebe o Santos no Morumbi a partir das 17h Rafael Arbex/Estadão e Ivan Storti/Santos FC

São Paulo e Santos duelam em busca da primeira vitória em clássicos na temporada

Equipes se enfrentam no Morumbi depois de tropeços diante de rivais de peso neste início de temporada

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2018 | 06h00

Evitar a segunda derrota em clássicos no ano é tarefa prioritária para São Paulo e Santos, que se enfrentam hoje, às 17h, no Morumbi, pela oitava rodada do Paulistão. Em busca de afirmação, as equipes fazem o duelo para “desencantar” na temporada, que para ambos começa com oscilações e deixa os torcedores preocupados.

Receoso, Dorival espera 'prejuízos menores possíveis' para o São Paulo em clássico

Para os mandantes, o jogo ainda marca o desafio ingrato de tentar melhorar o retrospecto recente diante dos principais rivais paulistas. Nos últimos dez clássicos, o São Paulo venceu apenas dois (2 a 0 sobre o Palmeiras no primeiro turno do Brasileirão passado e 2 a 1 sobre o Santos, no segundo). Contra os rivais de hoje, foram seis derrotas nos últimos dez encontros. No primeiro clássico deste ano, perdeu por 2 a 1 para o Corinthians.

Apesar da sequência de quatro vitórias seguidas, duas no Estadual e duas na Copa do Brasil, o sinal de alerta está ligado no São Paulo, que ainda não mostrou futebol convincente e ouviu vaias mesmo com resultados positivos. As cobranças recaem sobre Dorival Junior, que entre reclamações sobre o calendário apertado e a espera de um entrosamento que parece não chegar ao time, já começa a ser questionado no Morumbi.

E o desafio para hoje tem um drama a mais para o tricolor: o time precisou viajar às pressas para Maceió, para enfrentar o CSA pela Copa do Brasil na quinta, e teve pouco tempo para treinar para o clássico. Para piorar, o zagueiro Rodrigo Caio, suspenso por tomar o terceiro amarelo na sexta rodada, terá de cumprir suspensão hoje, já que o duelo contra o Ituano, pela sétima, foi adiado para a próxima quarta-feira por causa do torneio nacional.

Do lado santista, o desafio de Jair Ventura é mostrar ao torcedor que suas apostas podem dar resultado, mesmo que o time ainda esteja buscando sua forma ideal. Para esquecer o tropeço diante do Palmeiras por 2 a 1 no primeiro clássico do ano, o Santos buscará a posse de bola para envolver os rivais de hoje. O duelo ainda marcará o primeiro grande teste para Gabigol, de volta ao Santos e que busca retomar o bom futebol que não conseguiu mostrar na Europa.

FICHA TÉCNICA

São Paulo X Santos

São Paulo: Sidão; Militão, Bruno Alves, A. Martins (Arboleda) e Edimar; Jucilei, Petros e Nenê; Cueva, Marcos Guilherme e Diego Souza. Técnico: Dorival Junior.

Santos: Vanderlei; D. Guedes, L. Veríssimo, G. Henrique e Caju; Alison, Renato (J. Mota) e Vecchio (V. Bueno); E. Sasha, Copete e Gabigol. Técnico: Jair Ventura. 

Juiz: Raphael Claus.

Local: Morumbi.

Horário: 17h

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Clássico vira duelo ‘familiar’ com novos dirigentes de Santos e São Paulo

Gustavo Vieira e Raí, sobrinho e tio, se enfrentam pela primeira vez desde que assumiram cargos nas diretorias

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2018 | 06h00

O duelo entre São Paulo e Santos hoje marca o primeiro encontro entre os executivos de futebol Raí e Gustavo Vieira, que assumiram seus postos como dirigentes nas equipes nesta virada de ano. Tio e sobrinho, os dois enfrentam dilemas em suas funções.

São Paulo e Santos duelam em busca da primeira vitória em clássicos na temporada

O são-paulino, que divide o comando do futebol tricolor com Ricardo Rocha e apoio de Lugano, quer colocar o time de volta no rumo dos títulos. Para isso, Raí aposta em resgatar a “essência” do São Paulo, e a estratégia que o clube adotou foi mesclar experiência e juventude no elenco, além de tornar os “ídolos-dirigentes” num forte suporte para os jogadores. Sem perspectivas de novas contratações de peso, Raí agora acompanha o trabalho de Dorival e está à espera de uma arrancada na temporada.

Já Gustavo Vieira encontrou um Santos pouco disposto a grandes investimentos para 2018. Seu primeiro desafio foi concretizar a chegada de Jair Ventura, que já era nome favorito para assumir o comando do time. Sua experiência anterior como dirigente no São Paulo e perfil estudioso despertaram a confiança do novo presidente santista, José Carlos Peres. A principal aposta é no retorno de Gabriel, que foi mal na Europa e tenta se reerguer na velha casa.

Nos bastidores, os clubes vivem uma relação amistosa e cordial. “Equipes coirmãs”, define o presidente tricolor, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Com a nova diretoria santista, assuntos que já eram vistos como encerrados, como a possibilidade de transferência de Victor Ferraz para o Morumbi, voltaram a ser discutidos. Além do bom relacionamento entre as diretorias, o técnico Dorival Junior também é apontado como trunfo dos tricolores para a aproximação, pelas passagens que teve no Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.