São Paulo e São Caetano só empatam

Com quatro volantes no time são-paulino e praticamente onze defensores do lado do São Caetano, o empate foi mesmo o resultado mais justo para o jogo deste sábado no Morumbi. O time do ABC jogou apenas nos contra-ataques, marcou seu gol de bola parada, com Mateus no primeiro tempo, e por pouco não saiu com a vitória, falhando na conclusão duas vezes consecutivas no fim da partida. Com o 1 a 1, o São Paulo foi a 29 pontos e perdeu a chance de se igualar ao líder Cruzeiro, derrotado neste sábado pelo Figueirense. O técnico Rojas armou um time cauteloso e pouco criativo para a partida. Sem poder contar com o meia Ricardinho, contundido, a estratégia foi apelar para quatro volantes, com Júlio Baptista com a camisa 10. Sem capacidade de criação, o time ?achou? o empate só no finalzinho do jogo, aos 35 do segundo tempo, com Luís Fabiano impedido. O jogo começou lento. O técnico Mário Sérgio armou um ferrolho no campo de defesa para bloquear a criação são-paulina. Luís Fabiano e Kaká pegavam a bola e eram logo cercados. Sendo assim, para provar que volante também sabe o caminho do gol, o primeiro lance de perigo nasceu dos pés de Fábio Simplício e Júlio Baptista, aos 7 minutos. O primeiro, de fora da área, lançou o segundo, dentro. Júlio bateu de primeira, mas Sílvio Luiz espalmou. O São Caetano subia com velocidade nos contragolpes. Duas vezes sucessivas a zaga foi obrigada a parar com falta o ataque. Na primeira vez, aos 22, Marcinho chegou perto de abrir o placar, chutando por cima do travessão. Aos 24, na segunda chance da equipe do ABC, Mateus não perdoou, colocando no canto direito de Rogério Ceni: 1 a 0.Na comemoração os jogadores do Azulão homenagearam o zagueiro Max, do Botafogo-SP, morto no início da semana durante treinamento no clube de Ribeirão Preto. Com os dedos apontando para os céus, os jogadores lembraram o gesto dos jogadores da seleção francesa, que no jogo contra a Turquia, homenagearam o camaronês Marc Viviven Foe - morto em campo durante a Copa das Confederações. O São Paulo sentiu o gol, mas se arriscou em busca do empate. Faltou foi habilidade. Sobraram lances bizonhos, como quando Fábio Simplício cobrou escanteio e a bola foi pra lateral ou quando o mesmo volante apareceu na área, sozinho, mas não alcançou toque de Luís Fabiano.Veio o segundo tempo e o São Paulo partiu em busca do empate. Mas foi o São Caetano quem quase ampliou, aos 5 minutos: Sílvio Luiz achou Mineiro, que tocou para Fábio Santos. O meia cortou para dentro e chutou no canto direito de Rogério, que espalmou. Na continuação da jogada, Zé Carlos chutou nas mãos do goleiro.Aos 10, Luís Fabiano, fora de ritmo, recebeu de costas para o gol, girou na entrada da pequena área e chutou para fora, num tipo de jogada que ele não costuma errar.Aos 16, saiu enfim um volante do São Paulo. Rico entrou no lugar de Alexandre, mas não fez nada que justificasse a euforia da torcida com a substituição.Aos 35, dois impedimentos consecutivos não marcados acabaram no primeiro gol do São Paulo sobre o São Caetano na história. O autor: Luís Fabiano, que recebeu em posição irregular depois de toque de Júlio Baptista e chutou sem defesa.E, no final, o São Caetano por pouco não passou novamente na frente. Primeiro com Zé Carlos e depois com Fábio Santos. Mas ficou mesmo no 1 a 1. O São Paulo continua sem nunca ter vencido o time do ABC (três vitórias e dois empates) e foi a 29 pontos, mantendo temporariamente a segunda colocação do Brasileiro. O Cruzeiro, líder, perdeu para o Figueirense e continua com 31 pontos.

Agencia Estado,

05 de julho de 2003 | 19h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.