Felipe Rau/Estadão - 08/03/2015
Felipe Rau/Estadão - 08/03/2015

São Paulo embolsa quase R$ 60 milhões com negociações

Clube vende três jogadores e pode ter a saída de Jonathan Cafu

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

20 de junho de 2015 | 07h00

Em menos de uma semana o São Paulo conseguiu embolsar quase R$ 60 milhões e enxugar a folha de pagamento. O clube fechou nesta sexta-feira a venda de Denilson e encaminhou a saída de Jonathan Cafu, que recebeu proposta do Ludogorets Razgrad, da Bulgária.

O volante confirmou o acerto por três anos com o Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos. A negociação vai render ao São Paulo R$ 10,7 milhões e se soma ao lucro obtido com a ida de Rodrigo Caio para o Valencia (R$ 44 milhões) e de Paulo Miranda para o Red Bull Salzburg, da Áustria (R$ 4,5 milhões).

Somadas, as vendas alcançam a cifra de R$ 59,2 milhões e aliviam o desfavorável quadro econômico do São Paulo. O clube fechou o último ano com déficit de R$ 100 milhões, aumento de 62% do endividamento bancário e tem enfrentado dificuldades para pagar em dia os direitos de imagem.

"É uma receita extraordinária, decorrente de uma oportunidade", disse nesta sexta-feira o presidente Carlos Miguel Aidar, em entrevista ao canal SporTV. O próximo que deve sair é o atacante Jonathan Cafu. O jogador, porém, quer ficar no São Paulo e ganhar mais chances para atuar.

A saída de Denilson representa também uma economia salarial de cerca de R$ 300 mil. O volante, titular absoluto, tinha um dos maiores vencimentos de todo o elenco. 

Apesar das negociações, o São Paulo não tem previsão de trazer reforços de peso. A aposta deve ser nas categorias de base. Só no último mês, Mattheus Reis, João Paulo e Luiz Araújo foram promovidos. "A saída de jogadores me preocupa muito", lamentou o técnico Juan Carlos Osorio.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.