Rubens Chiri/São Paulo FC
Rubens Chiri/São Paulo FC

São Paulo empata com o Paraná e vê Internacional diminuir distância

Tricolor fica apenas um ponto acima do colorado após empate por 1 a 1 fora de casa, pelo Brasileirão

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2018 | 21h27

No duelo entre o líder e o lanterna do Campeonato Brasileiro, na abertura do returno do torneio, deu empate. O São Paulo chegou embalado para enfrentar o Paraná, time de pior campanha, saiu na frente com um gol bem cedo, mas acabou cedendo o gol e não conseguiu reagir. Sem brilho, a equipe paulista ficou no 1 a 1 e viu a diferença para o segundo colocado, o Internacional, cair para apenas um ponto.

A partida começou bem para o São Paulo, com um gol nos primeiros minutos. O zagueiro Cleber Reis vacilou na defesa, Nenê roubou a bola, que sobrou para Diego Souza. Ele avançou e devolveu para Nenê, que sozinho tocou na saída do goleiro Richard e abriu o placar. A vitória parcial no início era tudo que o time queria fora de casa.

Só que um problema que tem acontecido com o São Paulo voltou a se repetir: após o gol, a equipe recuou muito. E o Paraná, desesperado pela posição incômoda na tabela de classificação, passou a pressionar em busca do empate. Aos 20, Guilherme Biteco quase marcou, mas Sidão espalmou a cobrança de falta para escanteio.

A aposta do time paulista era tentar matar o jogo nos contra-ataques, mas o Paraná oferecia poucas oportunidades para o adversário. E ainda insistia no ataque e obrigava o goleiro Sidão a trabalhar, principalmente em jogadas de velocidade com Silvinho, que dava trabalho para os zagueiros rivais.

Sem muito ímpeto, o São Paulo quase fez o segundo gol numa linda jogada de Diego Souza, que recebeu o cruzamento da direita, matou no peito e mandou de bicicleta, com perigo. Só que pouco depois, o Paraná chegou ao gol com Junior, que invadiu a área em velocidade e chutou forte, sem chance para Sidão.

O gol deixou o São Paulo um pouco atordoado e o Paraná tentou aproveitar para virar. Guilherme Biteco teve boa chance, mas mandou por cima do gol. A resposta do time do Morumbi veio com Rojas, que limpou a marcação e mandou no canto, de fora da área, mas a bola apenas passou perto do gol.

SÃO PAULO FORÇA PELO ALTO

Na etapa final, o São Paulo voltou um pouco melhor e tentou ir ao ataque. Mas com a defesa do Paraná bem armada, o time não encontrava espaço para a penetração dos meias e então a opção era o jogo aéreo. Foram diversos levantamentos na área, mas nenhum deles levou perigo ao gol dos donos da casa.

O Paraná também diminuiu o ímpeto e o técnico Claudinei Oliveira colocava apenas um jogador na frente e todos os outros ajudavam na defesa. A aposta passou a ser o contra-ataque, mas o São Paulo, com Liziero no lugar de Hudson, tinha uma boa proteção para evitar a virada.

A qualidade técnica da partida era baixa e as duas equipes abusavam dos erros. Os meias são-paulinos não tinham um bom desempenho e também erravam. Everton e Rojas, que atacavam pela esquerda e direita, respectivamente, não estavam em noite inspirada. Nenê e Diego Souza também não brilhavam.

Nos últimos minutos, Aguirre colocou Trellez e Shaylon para tentar o gol salvador. Insistiu enquanto o Paraná já se mostrava satisfeito com o empate. A pressão do São Paulo foi enorme e aos 47, Trellez teve ótima chance, mas cabeceou para fora. Mesmo com a insistência dos visitantes, o Paraná segurou o empate e brecou o São Paulo no Brasileirão.

FICHA TÉCNICA

PARANÁ 1 x 1 SÃO PAULO

PARANÁ: Richard; Junior, Cleber Reis, René e Mansur; Leandro Vilela, Alex Santana, Caio Henrique e Guilherme Biteco (Rodolfo, depois Jhonny Lucas); Rafael Grampola (Raphael Alemão) e Silvinho. Técnico: Claudinei Oliveira.

SÃO PAULO: Sidão; Bruno Peres, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei, Hudson (Liziero), Rojas (Shaylon), Nenê (Trellez) e Everton; Diego Souza. Técnico: Diego Aguirre.

Gols: Nenê, aos 7, e Junior, aos 36 minutos do 1º tempo.

Juiz: Péricles Bassols Cortez (PE).

Cartões amarelos: Guilherme Biteco (3º), Junior (3º), Rafael Grampola e Liziero (3º).

Público: 7.635 pagantes.

Renda: R$ 296.420,00.

Local: Durival Britto, em Curitiba (PR).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.