São Paulo empata em Florianópolis: 2 a 2

Parece que a pressão em ter de correr atrás de Cruzeiro e Santos não está fazendo bem para a cabeça dos são-paulinos. Os jogadores se mostram nervosos. Na partida de hoje, contra o Figueirense, nove deles acabaram advertidos com o cartão amarelo. Só o goleiro Rogério Ceni e o volante Adriano não foram penalizados. E o pior é que só somaram um ponto com o empate por 2 a 2 e viram os principais adversários se distanciarem na tabela. Os são-paulinos chegaram a 54 pontos, contra 58 de cruzeirenses e santistas. Assim, parece que a previsão pessimista que os próprios atletas faziam na véspera acabou concretizada. Diziam que o jogo em Florianópolis era crucial para as pretensões da equipe na briga pelo título e chegaram a elaborar um pacto pela vitória, sobretudo após os bons resultados obtidos por Santos e Cruzeiro no sábado. Porém... Que a natureza da equipe são-paulina é ofensiva, nem precisa ser dito. Tanto é que, mesmo em tarde pouco inspirada, Luís Fabiano conseguiu marcar e o time mostrou força para reagir e virar o placar. Adriano colaborou com um belo chute de fora da área, no ângulo esquerdo de Édson Bastos. Triguinho e Sandro Gaúcho descontaram. Porém, o time sucumbe diante de um detalhe básico: a comunicação dentro do campo. Fica evidente a dificuldade que os defensores têm falar um com o outro. O resultado são posicionamentos errados que, invariavelmente, fazem a alegria do ataque adversário. Em contrapartida, quem sofre é Rogério Ceni. Além de dois gols "bobos", que começaram em jogadas de bolas parada, o goleiro da equipe do Morumbi se desdobrou e em pelo menos três oportunidades salvou o time da derrota. Outro detalhe que tem comprometido a performance tricolor é a notória falta de entrosamento entre o meio-campo e ataque. Nesse caso, leia-se Ricardinho e Luís Fabiano. Talvez ainda seja resquício do longo período no qual o meia ficou afastados por causa de contusão. Mas o fato é que, na prática, a bola não chega. Hoje, por exemplo, o atacante precisou carregar a bola sozinho e trombar com Deus e o mundo dentro da área do Figueirense para fazer o gol, o 20.º dele no Campeonato Brasileiro. Já a dificuldade em puxar os contra-ataques é outro indício de que a ligação entre os setores está falha. A correria é grande, mas improdutiva. Outra folga - A 31.ª rodada só vai acontecer no próximo fim de semana, uma vez que a quarta-feira está reservada para a Copa Sul-Americana. O São Paulo vai receber o Atlético-MG, enquanto o Figueirense, que chegou a 39 pontos, enfrenta o São Caetano no ABC. Sem poder contar com o zagueiro Jean, expulso, o técnico Rojas deve escalar Lugano como companheiro de Júlio Santos na zaga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.