Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

São Paulo encara Cruzeiro para manter sonho de título

Tricolor precisa da vitória para encurtar distância para o líder; derrota praticamente inviabiliza conquista

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

14 Setembro 2014 | 07h00

Por mais que o torcedor tenha seu time de coração, em algum momento ele passará os olhos sobre o confronto entre São Paulo e Cruzeiro neste domingo, às 16 horas no Morumbi. A partida que coloca frente a frente os dois primeiros colocados - e times mais badalados do momento - ganha caráter decisivo: uma vitória do Tricolor põe fogo na competição, mas se os mineiros levarem a melhor, abrem distância enorme na ponta e praticamente sepultam a disputa.

É inegável que todos os aspectos transformam o confronto no mais interessante da rodada. Disputa pela liderança, elencos badalados, jogadores caros e os dois times com estilo de jogo mais vistoso tornam o confronto matéria obrigatória para quem aprecia o esporte. A julgar pelo que vêm fazendo nos últimos jogos, os adversários têm tudo para protagonizar uma partida de altíssimo nível técnico.

Do lado Tricolor, negar que só a vitória interessa seria brigar com os fatos. Os sete pontos que o separam da liderança não são uma distância tão simples quanto quer fazer crer o elenco, mas ainda é administrável. "Sabemos que é um jogo importante, mas não decisivo", afirmou Muricy Ramalho. Um tropeço, porém, complica sensivelmente as pretensões já no início do segundo turno.

Se a boa fase - são seis vitórias e dois empates nos últimos é combustível para acreditar numa vitória, o retrospecto rival impressiona ainda mais: desde a oitava rodada o Cruzeiro não é derrotado, a última queda aconteceu no dia 28 de maio, diante do Corinthians.

"Secar não adianta. Não podemos negar que está jogando bem e mesmo quando não joga bem ganha, como aconteceu contra o Goiás e o Bahia. Não adianta pensar nos outros, temos que fazer nossa parte", avisou Muricy.

O choque do Morumbi unirá propostas de jogo semelhantes - posse de bola e ocupação de espaços -, mas com aplicações distintas. O ataque em bloco e de toques curtos dos mineiros será testado diante de um rival que possui a linha ofensiva mais técnica do país e aposta na intensa movimentação dos homens de frente para confundir a marcação.

A boa notícia é que Kaká, Ganso, Pato e Alan Kardec estarão mais uma vez juntos e ostentam 100% de aproveitamento; foram seis vitórias quando os quatro comandaram a equipe. "É o conjunto que o São Paulo está formando que está impondo respeito", ponderou Kaká. O Tricolor deve ter também o retorno de Alvaro Pereira à lateral após o uruguaio voltar da Ásia, onde disputou amistosos com a seleção do seu país.

FINAL

A possibilidade de bater o São Paulo e abrir dez pontos de frente na liderança é o maior atrativo para o Cruzeiro não se contentar apenas com um empate no Morumbi. O técnico Marcelo Oliveira deve ganhar o retorno de Egídio, que voltou a treinar e deve voltar à lateral-esquerda. Dedé volta de suspensão e entra no lugar de Manoel. O desfalque fica por conta de Henrique, que levou o terceiro cartão amarelo, e dará lugar a Nilton.

"Vamos encarar como uma final. São 18 jogos que vamos tratar como final. A gente sabe da importância deste jogo, que é de seis pontos. Vamos fazer de tudo para conseguir esta vitória que vai dar uma condição do nosso time abrir 10 pontos para o segundo colocado", afirmou Ricardo Goulart.

SÃO PAULO X CRUZEIRO

Domingo, 14 de setembro, às 16 horas

Local: Morumbi

Árbitro: Leandro Vuaden

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Auro, Rafael Toloi, Edson Silva e Alvaro Pereira; Denilson, Souza, Ganso e Kaká; Pato e Alan Kardec. Técnico: Muricy Ramalho.

CRUZEIRO: Fábio, Mayke, Dedé, Leo e Egídio; Nilton, Lucas Silva, Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart; William e Marcelo Moreno. Técnico: Marcelo Oliveira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.