São Paulo encara o Cruzeiro pelas quartas da Copa Libertadores

Equipe tricolor quer apagar recentes eliminações na competição para clubes brasileiros; jogo será no Mineirão

Giuliander Carpes e Eduardo Kattah, O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2009 | 22h51

Nilton Fukuda/AE

Muricy Ramalho busca pela quarta vez a conquista da Copa Libertadores com o time do São Paulo

SÃO PAULO - Agora é para valer. O time do São Paulo não vinha bem, mas já melhorou diante do Palmeiras. No duelo desta quarta-feira, às 21h50, no Mineirão, contudo, não pode errar diante do Cruzeiro. Sob pena de começar atrás no confronto das quartas de final da Copa Libertadores e pôr em grande risco a competição prioritária da temporada. A partida terá transmissão online do estadao.com.br.

Veja também:

linkMarlos relacionado por Muricy Ramalho para Libertadores

linkRecuperado, Borges diz que voltará com 'mais apetite'

linkMarlos chega ao São Paulo e diz que já pode estrear

linkMiranda vê crescimento do São Paulo na temporada

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

O São Paulo não vence há três partidas - o aproveitamento é de uma vitória nos últimos sete jogos. Mas o técnico Muricy Ramalho acha que sua equipe atuou de forma convincente no clássico de domingo. "Estamos retomando o nosso futebol na hora certa e esse time do São Paulo quando embala fica enjoado. A gente cresce nos momentos decisivos", disse o treinador são-paulino.

Muricy tem um obstáculo grandioso adiante: se sobrepor ao fraco aproveitamento em confrontos mata-mata no comando do São Paulo. Desde que assumiu, no início de 2006, Muricy não conquistou título em duelos eliminatórios - foram nove competições perdidas. A última derrota foi na semifinal do Campeonato Paulista, diante do Corinthians.

Nas três edições da Libertadores em que o treinador esteve à frente do time, a equipe perdeu confrontos para brasileiros. Em 2006, na final com o Internacional. No ano seguinte, acabou batido pelo Grêmio logo nas oitavas de final. E, na última, veio a dolorosa eliminação, nas quartas, frente ao Fluminense, no Maracanã."Já ganhamos no mata-mata, já perdemos no mata-mata, isso é do futebol", afirmou o técnico. "Não gosto de ficar pensando em derrotas. Não aprendo nada."

O São Paulo ao menos terá condições de montar um time mais competitivo do que nos últimos jogos. Além de Rogério e Rodrigo, que estão fora há vários jogos, não terá também Bosco e Hugo, ambos com lesões no joelho. Pouco em comparação a partidas anteriores, quando ficou até sem sete atletas titulares. "Agora pode haver algo diferente", contou o técnico.

A passagem para as quartas foi fácil para a equipe do Morumbi. Não precisou enfrentar o Chivas, do México, por causa da gripe suína. Agora, começa um desafio bem maior.

Muricy e seus comandados terão de mostrar se vão reforçar o estigma dos últimos anos ou acabar com a desconfiança de seus torcedores. "Mata-mata é esquisito, não dá para ficar prevendo", definiu o treinador.

SEM JOGO BONITO

O Cruzeiro está invicto há mais de oito meses no Mineirão, e na Libertadores mantém um aproveitamento de 100%, além de não ter sofrido gol nos quatro confrontos realizados em Belo Horizonte. Porém, contra o São Paulo pela primeira partida das quartas de final da competição continental, o time terá de superar um incômodo tabu. Não vence o rival há nove partidas, sendo quatro delas foram no estádio da Pampulha.

A última vitória sobre o time paulista em casa foi há cinco anos, em maio de 2004, pelo Campeonato Brasileiro. Desde então, foram quatro jogos no Mineirão, sendo duas vitórias do São Paulo e dois empates.

Embora o Cruzeiro tenha se notabilizado pelo bom futebol na temporada, para o duelo desta noite vale até jogar feio pelo resultado positivo. "Jogar bonito agrada todo mundo, mas isso nem sempre vence jogos", observou o zagueiro Leonardo Silva. Poupado do triunfo sobre o Vitória, no sábado, pelo Brasileirão, Leonardo Silva, de 1,92 m, volta ao time com a missão de tentar neutralizar o jogo aéreo do São Paulo, maior preocupação do técnico Adilson Batista.

Depois de acompanhar o empate sem gols no clássico entre o Tricolor e o Palmeiras, no domingo, pelo Brasileiro, atacante Kléber previu um duelo particular com o jovem goleiro Denis, que substitui Rogério Ceni e Bosco, ambos lesionados.

"É um goleiro rápido. Deu para perceber que tem um reflexo muito bom, agilidade. Só de estar no São Paulo a gente já sabe que é um bom goleiro", disse Kléber, autor de 19 gols em 19 jogos com a camisa do Cruzeiro nesta temporada.

O Cruzeiro deve contar com um grande apoio das arquibancadas. Quase a metade dos 64.800 ingressos - carga total do Mineirão - foi vendida logo na segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.