Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

São Paulo encara o Grêmio e inicia luta pelo 2.º lugar

Clube ainda vê chances de assumir vice-liderança e ficar com vaga direta para a Libertadores

Fernando Faro, de O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2012 | 09h17

SÃO PAULO - Sonhar com a segunda colocação do Campeonato Brasileiro e a consequente classificação direta para a fase de grupos da Copa Libertadores do ano que vem passa obrigatoriamente por uma vitória do São Paulo sobre o Grêmio, neste domingo, 11, às 17 horas, no estádio Olímpico, em Porto Alegre, pela 35.ª rodada.

 

Rivais diretos na tabela de classificação e separados por quatro pontos (63 a 59), os clubes tricolores medem forças e torcem por um tropeço do vice-líder Atlético Mineiro (64 pontos) contra o Vasco, em São Januário, para se aproximarem em condições de embolar a disputa nas três rodadas que restarão. No melhor cenário para os são-paulinos, a equipe terminará a rodada a dois pontos dos mineiros.

 

Apesar de encontrar o terceiro melhor mandante da competição e um estádio que costuma servir de caldeirão - todos os 45 mil ingressos para a partida foram vendidos -, jogar fora de casa parece ter deixado de ser um martírio para o São Paulo. Nos últimos seis jogos (contando partidas da Copa Sul-Americana) foram três vitórias, dois empates e apenas uma derrota em apresentações, exceto no tropeço para o Flamengo, seguras.

 

Por isso, Ney Franco descarta qualquer mudança de posicionamento e mandará a campo o time com o mesmo desenho tático que o levou a chegar ao G4. "É imprescindível e espero que tenhamos competência para jogar bem. Depois desse jogo definiremos nossa vida no Campeonato Brasileiro. Primeiro precisamos assegurar essa classificação para a Libertadores e uma vitória nos coloca em situação real de brigar pelo segundo lugar", explicou.

 

O técnico, no entanto, terá um problema sério para manter o padrão de jogo. Wellington, um dos principais responsáveis pela ascensão da equipe, está fora para cumprir suspensão e não tem um substituto à altura. Denilson deve ser recuado para fazer uma função mais defensiva e Maicon e Casemiro brigam pela outra vaga, com a tendência maior para o primeiro.

 

A boa notícia fica por conta do retorno de Osvaldo, ausente contra a Universidad de Chile por dores musculares. Ele se junta a Luis Fabiano e Lucas para remontar o ataque que é apontado por Ney Franco como uma das razões da boa fase.

 

A equipe também chega contagiada pela renovação de contrato de Rogério Ceni, selada na última quinta-feira. Os jogadores agora querem garantir a vaga na Libertadores o quanto antes para dar de presente ao ídolo. "Desde a volta dele, a nossa equipe deu uma arrancada muito importante no Brasileiro e Sul-Americana. É uma renovação boa para todos nós", explicou Jadson.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSão Paulo FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.