São Paulo encara São Caetano cheio de desfalques no Paulista

Técnico Muricy Ramalho quer os jogadores entrem atentos para não serem surpreendidos no Morumbi

Giuliano Villa Nova, O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2008 | 18h58

O técnico Muricy Ramalho gosta de dizer que, no futebol, a história não entra em campo. Mesmo assim, ele sabe que o São Paulo corre o risco de ser surpreendido pelo São Caetano, no jogo desta quinta-feira, a partir das 19h30 (com acompanhamento do estadao.com.br), no Morumbi, pelo Paulistão.  A preocupação não é nem tanto pelo fato de o time são-paulino já ter sido eliminado duas vezes do Campeonato Paulista pelo São Caetano - em 2004 e em 2007. O principal é pela coleção de problemas que o treinador do São Paulo tem de administrar, especialmente o elenco reduzido. "Temos, no máximo, 20 jogadores", contou Muricy, ao falar dos problemas do elenco são-paulino. "No fim do ano passado já não contávamos com um grupo grande, e ainda perdemos quatro jogadores importantes [Souza, Leandro, Breno e Diego Tardelli]." Mas a exigência pelos resultados não diminui. A comissão técnica já se preocupa com os jogadores contundidos e suspensos e, embora não admita, com o clássico de domingo, diante do Santos. Além disso, em vinte dias, o clube estréia na Libertadores - contra o Nacional, na Colômbia. "Estou vendo se encontro algum jogador nas categorias de base, que possa ser utilizado", disse Muricy, sem muita convicção. Para o duelo desta quinta-feira, que vale a briga pelas primeiras posições do Paulistão, Mur São PauloRogério Ceni; André Dias, Alex e Miranda; Reasco, Zé Luiz, Fábio Santos, Jorge Wagner e Júnior; Borges e AdrianoTécnico: Muricy RamalhoSão CaetanoLuiz; Edson Borges, Tobi e Neto (Kléber); Wilton Goiano, Hernani, Gleidson, Douglas e João Victor; Canindé (Leandrinho) e Tico (Fábio Luiz)Técnico: Amauri KnevitzÁrbitro: Guilherme Cereta de LimaEstádio: Morumbi, em São PauloHorário: 19h30Rádio: Eldorado/ESPN - AM 700 khzTV: Pay-Per-Viewicy não terá os volantes Hernanes e Richarlyson, ambos na seleção brasileira, além do lateral-direito Joilson, que está suspenso, e do zagueiro Juninho e do atacante Dagoberto, que se recuperam de lesões. PODER DE FOGOOutra dificuldade para os são-paulinos neste começo de temporada está no ataque, que só marcou sete gols em seis partidas disputadas. Nesta quinta-feira, o atacante Borges deve ser o companheiros de Adriano, que, apesar de já ter feito três gols, ainda não rendeu o que se espera dele.  "A marcação dos adversários está muito dura, todos têm visto isso, nos nossos jogos", justificou Adriano, grande contratação do São Paulo para a temporada de 2008 - fica no Morumbi até julho, quando acaba o empréstimo da Inter de Milão. Borges joga porque Aloísio ainda se ressente da lesão muscular sofrida há dez dias e será preservado para o confronto de domingo com o Santos. E para o lugar de Joilson, o equatoriano Reasco será escalado na lateral-direita. É certo que o São Caetano mudou muito o elenco em relação ao ano passado, mas Muricy reconhece também a força do rival desta quinta-feira. "Eles têm um jeito de atuar, que não muda. É um bom time, sempre difícil de ser derrotado", comentou o treinador são-paulino, que, apesar de não gostar de retrospecto, fala com embasamento: em 10 jogos entre os dois times no Morumbi, o São Paulo ganhou apenas três vezes e perdeu outras quatro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.