São Paulo encara seu mais duro desafio

Dizer que as oito vitórias que o São Paulo conseguiu em 2004 não significaram quase nada talvez seja injusto. Mas é preciso lembrar, por outro lado, que a equipe ainda não teve um grande desafio na temporada. O são-paulino vai poder tirar, nesta quinta-feira, a partir das 21h15, uma conclusão mais precisa da real capacidade de seu time, pois o confronto com a Liga Deportiva Universitária (LDU), em Quito, trará, seguramente, mais dificuldade que as partidas anteriores.Não só por sua importância - o vencedor estará praticamente classificado para as oitavas-de-final da Libertadores -, mas pelas adversidades que o São Paulo enfrentará. Não que a LDU, do modesto futebol equatoriano, tenha craques, dê espetáculo em suas apresentações, mas é, sem dúvida, o mais forte rival do grupo 4, tem entrosamento e um esquema tático bem definido.O LDU venceu suas duas partidas com facilidade e ainda terá o apoio de cerca de 40 mil torcedores. "Eles têm dois alas que jogariam em qualquer equipe do País, um ótimo zagueiro, dois atacantes rápidos e o Aguinaga, que é muito técnico, até parece jogador brasileiro", analisou o técnico Cuca.Além do adversário e do fator campo, o São Paulo tem outra preocupação: a altitude, que vive incomodando em torneios na América do Sul. Quito está situada a 2.850 metros acima do nível do mar, o que torna o ar rarefeito e pode causar tontura, dor de cabeça e dificuldade na respiração de quem não está acostumado ao ambiente.Justamente para minimizar o problema, a delegação do São Paulo passará a noite desta quarta-feira em Guayaquil, ao nível do mar, e seguirá apenas na tarde de quinta para Quito, onde chegará cerca de duas horas antes do início do jogo. "Um empate já será bem-vindo", admitiu Luís Fabiano.Cuca não concorda que o São Paulo ainda não tenha passado por provas difíceis no ano e cita como exemplo o confronto com o Alianza, em Lima, com o Corinthians, no Morumbi, e com o América, em Rio Preto. Reconhece, no entanto, que o time pode e deve evoluir. Acredita que o meio-campo tem de produzir mais - em sua opinião, Marquinhos está abaixo de suas condições técnicas - e que Grafite precisa manter mais regularidade em suas atuações.Contra a LDU, o treinador terá, também, boa oportunidade para medir a maturidade do grupo, que conta com vários jovens, como Fábio Santos, de 18 anos.São Paulo e LDU dividem a primeira posição do grupo 4, com 6 pontos em dois jogos, mas os equatorianos levam vantagem no saldo de gols. Na próxima semana, voltam a se enfrentar, no Morumbi. O time que atingir 12 pontos se garante na fase seguinte da competição. Ou como campeão da chave ou como um dos melhores segundos colocados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.