Rubens Chiri/SPFC
Rubens Chiri/SPFC

São Paulo enfrenta o River Plate em busca de 'milagre' na Libertadores

Equipe brasileira não pode perder nesta quarta-feira para ainda sonhar com a classificação às oitavas de final

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2020 | 05h00

O São Paulo tem nesta quarta-feira à noite o principal desafio até agora nesta temporada. A equipe enfrenta o River Plate, na Argentina, sabendo que não pode perder para ainda sonhar com a classificação às oitavas de final da Copa Libertadores da América. Mesmo se ganhar, o São Paulo não dependerá apenas de si na última rodada do Grupo D. Empate deixa a classificação praticamente impossível de ser alcançada, porque o time precisaria tirar 11 gols de saldo a favor do River – ou seja, teria de golear o Binacional na rodada final e torcer para o time argentino ser goleado em casa pela LDU, do Equador. 

É por causa deste cenário que o meia Daniel Alves admite que o São Paulo precisa jogar “no limite da perfeição” nesta noite, no Estádio Libertadores de América, casa do Independiente, em Avellaneda. O tradicional Monumental de Núñez, em Buenos Aires, não receberá o duelo porque está em reforma.

“Vai ser um jogão, são duas equipes que gostam de jogar, propõem jogo, e isso faz com que o espetáculo fique bom. Mas na nossa mente só passa um resultado e é para isso que viemos. Sabemos que temos que fazer um jogo perfeito para conseguir”, afirmou Daniel Alves. “É preciso estar muito concentrado para conseguir a vitória, fazer um jogo no limite da perfeição, porque do outro lado você tem um adversário muito capacitado, com muitas armas. Acaba sendo um jogo de detalhe. Não é só jogar, fazer grandes lances, é preciso ter nível de competitividade muito alto porque do outro lado vai ter isso.”

Enquanto o São Paulo vem há anos buscando uma reformulação, com diversas mudanças de técnicos e jejum de títulos desde 2012, o River Plate tem a base formada das temporadas passadas, quando foi campeão da Libertadores em 2018 e vice em 2019. O técnico Marcelo Gallardo comanda o time argentino desde o meio de 2014. Até por isso a equipe praticamente não sentiu os seis meses sem disputar partidas oficiais em razão da pandemia do novo coronavírus. Na retomada da Libertadores, empatou por 2 a 2 com o São Paulo no Morumbi e goleou o Binacional por 6 a 0 em Lima.

“Contra equipes experientes e rodadas, é muito complicado jogar, pelo conjunto que já está lá há tempos. Torna-se um jogo mais difícil, mas temos os nossos argumentos. Apesar de a nossa equipe ser jovem, essa falta de experiência é recompensada pela disposição e pela vontade de querer ser. Sempre respeitando muito o adversário, os jogadores que estão lá do outro lado, é uma equipe histórica”, analisou Daniel Alves.

Para o duelo desta quarta, o técnico Fernando Diniz novamente não terá à disposição o atacante Luciano, artilheiro da equipe no Brasileirão, com cinco gols marcados. Ele cumprirá seu último jogo de suspensão por causa da confusão generalizada no clássico entre Grêmio e Internacional, no primeiro semestre, quando defendia o Tricolor gaúcho. A vaga de Luciano deve ficar com Vitor Bueno, mas Paulinho Bóia ou Brenner pode pintar como novidade.

O restante do time não deve ter mudanças em relação à formação inicial da partida contra o Inter, no último sábado. Após o empate por 1 a 1 no Beira-Rio, o elenco são-paulino permaneceu em Porto Alegre e viajou na segunda para Buenos Aires. A ideia era ganhar tempo de recuperação física e de treinos em meio à maratona de jogos do Brasileirão e da Libertadores.

Pressão

Um dos alvos dos protestos de torcedores que vêm sendo realizados neste segundo semestre, Fernando Diniz pode ver sua situação ficar praticamente insustentável caso o São Paulo seja eliminado na fase de grupos da Libertadores. Até agora, o treinador tem sido bancado pela diretoria, mas já admitiu que o time precisa reagir. Ele completou um ano no comando do São Paulo no sábado e sabe o que precisa fazer para evitar as cobranças. “Isso só vai terminar quando (o time) continuar jogando bem e ganhar os jogos.”

FICHA TÉCNICA

RIVER PLATE X SÃO PAULO

River Plate: Armani; Montiel, Martínez Quarta, Pinola e Casco; N. Fernández, Enzo Pérez, De la Cruz; Álvarez, Suárez e Borré. Técnico: Marcelo Gallardo.  

São Paulo: Volpi; Igor Vinícius, Diego Costa, Léo e Reinaldo; Tchê Tchê, Sara, Daniel Alves e Igor Gomes; Vitor Bueno e Pablo. Técnico: Fernando Diniz. 

Juiz: Cristian Garay (CHI). 

Local: Libertadores de América. 

Horário: 21h30. 

Na TV: SBT e Fox Sports.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.