São Paulo espera reviver tempos áureos

O feriado de carnaval, as chuvas que parecem intermináveis e o horário pouco convencional - 19 horas - do confronto entre São Paulo e Cobreloa, nesta quinta-feira, não vão afastar o público do Morumbi. O clima para o primeiro jogo do time paulista em casa pela Libertadores de 2004 contagia jogadores e torcedores, que não viviam ambiente festivo desde 1994, quando a equipe disputou a competição continental pela última vez."As pessoas dão, hoje, até mais importância para a Libertadores do que naquela época", lembra o goleiro Rogério Ceni, que participou da campanha do vice-campeonato, naquele ano, como reserva.O início da década de 90 marcou a época mais vitoriosa da história tricolor. Foram dois títulos de Libertadores e dois mundiais, entre outros. O elenco tinha astros como Raí, Müller e Cafu e contava com o técnico Telê Santana. A equipe disputava, com freqüência, partidas decisivas e era a mais presente na mídia.Depois de 10 anos sem grande destaque, o São Paulo, com grupo menos badalado, volta a atrair boa expectativa de seu torcedor. Milhares de pessoas correram aos pontos de venda de ingressos para garantir seu bilhete nos últimos dias. O setor de arrecadação não divulgou o número oficial de entradas já comercializadas, mas estima-se que o número tenha se aproximado dos 30 mil. Todos, no clube, apostam em pelo menos 45 mil são-paulinos no jogo desta quinta-feira. "A presença da torcida vai ser o diferencial para nós", comentou o técnico Cuca, que trabalha para tirar a pressão de cima dos jogadores. "Temos de jogar com alegria, não podemos entrar em campo com um peso nas costas por causa da presença da torcida ou da importância do jogo."Rogério Ceni acredita que a empolgação da torcida, como não se via há bom tempo, vai contagiar o grupo. E diz que o time tem de encarar o duelo com o Cobreloa como uma final. "Apenas um time se classifica por chave, não podemos perder ponto em casa." Na estréia, jogando em Lima, o São Paulo conseguiu boa - mas apertada - vitória sobre o Alianza por 2 a 1. Nesta quinta, a equipe atuará pela primeira vez no Morumbi pela Libertadores desde a derrota para o Vélez Sarsfield, nos pênaltis, na final de 94.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.