São Paulo estréia e sonha com o tri

O São Paulo tenta driblar a falta de experiência do elenco em competições internacionais para estrear bem na Libertadores, nesta quarta-feira, às 21h45, contra o Alianza, em Lima, pelo Grupo 4. Dos 11 que iniciarão a partida, apenas Grafite teve o gostinho de ser titular no torneio mais importante do continente. Foi em 2002, pelo Grêmio.A juventude, ou a inexperiência, pode não fazer tanta diferença, mas, às vezes, pesa, reconhecem os são-paulinos. Para buscar o título, a equipe terá de passar por adversários mais rodados, como o Boca Juniors, que vem fazendo boas campanhas nos últimos anos - é o atual campeão -, River Plate, Cruzeiro, que conta com Rivaldo e Alex, que já ganhou a Libertadores, e o próprio Santos, vice em 2003. Essa falta de ?malandragem? talvez tenha sido um dos fatores que causaram a eliminação do time na semifinal da Copa Sul-Americana, no ano passado, diante do River, em pleno Morumbi.O técnico Cuca procura passar tranqüilidade para o grupo e dizer que a competição não é nenhum "bicho de sete cabeças". Um dos exemplos que mais usa para tirar a pressão dos jogadores é o do Santos na última Libertadores. "O Robinho e o Diego, por exemplo, não tinham jogado nenhuma Libertadores e o time chegou à final e só não foi campeão por acidente." Quem já teve a sorte de participar do torneio garante que se trata de uma disputa bem diferente da dos campeonatos nacionais. É o caso de Diego Lugano, que deve ser mantido na zaga. No ano passado, era reserva do Nacional, do Uruguai. Rogério Ceni diz que o título é seu grande sonho no momento. Em 93 e 94, ficou no banco de Zetti e não chegou a entrar em campo. Vélber defendeu o Paysandu na última edição, mas hoje não começará a partida.O principal trunfo do São Paulo para fazer bom papel é, novamente, Luís Fabiano. O atacante mostra empolgação para sua primeira Libertadores. E afirma estar consciente da importância para seu futuro profissional. Fatalmente receberá propostas da Europa caso marque gols e tenha bom desempenho. "O Campeonato Paulista, que estamos liderando, é importante também, mas não há dúvida de que a Libertadores é mais importante." Luís Fabiano, que espera um jogo violento e cheio de catimba, está entusiasmado com seu novo contrato, que vai até 2008. Passou a ganhar mais de R$ 100 mil mensais e, conseqüentemente, teve a multa rescisória aumentada para US$ 20 milhões. O retrospecto é positivo para os são-paulinos contra times peruanos.Em quatro partidas, foram três vitórias e um empate. Os brasileiros, no entanto, nunca enfrentaram o Alianza. "Precisamos estar atentos, porque nosso grupo não é tão fácil; reúne os campeões do Peru, do Chile e do Equador", observou, referindo-se ao Alianza, ao Cobreloa à Liga Deportiva Universitária, de Quito. O treinador deve manter a formação que venceu o América por 2 a 0, no domingo, e promete colocar a equipe no ataque, apesar de atuar fora de casa. O São Paulo jogará a primeira partida de Libertadores depois de quase 10 anos. Em 94, sua última participação, perdeu do Vélez Sarsfield, na final.O Alianza terá dois desfalques para esta partida. O volante Aldo Olcese não se recuperou de uma lesão muscular e foi vetado pelo departamento médico. O técnico Gustavo Costas também não poderá contar com o meio-campista Juan Jaoy, que sente uma lesão muscular na perna direita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.