São Paulo exige punição a Paulo César

Paulo César de Oliveira que se prepare. A diretoria do São Paulo não vai deixar cair no esquecimento as provocações do árbitro no jogo de sábado, contra o Guarani, que terminou empatado por 3 a 3. Amanhã, o presidente Marcelo Portugal Gouvêa fará uma representação oficial contra ele na Federação Paulista de Futebol. Em seguida, um representante do clube fará o mesmo na CBF. O São Paulo quer que Paulo César seja julgado e punido. Além de uma punição exemplar, mas pouco provável, o São Paulo vai brigar para que juiz não apite mais jogos do seu time. O Departamento Jurídico quer provar que Paulo César vem perseguindo e ameaçando alguns jogadores - especialmente Grafite. De acordo com o técnico Cuca e os próprios jogadores, Paulo César chamou Cicinho e Alê para briga ao final do jogo. Grafite, que estava bem próximo do árbitro, confirma o desafio do juiz. "O São Paulo é um clube que respeita os árbitros e sabe que eles são passíveis de erros. Mas bobo o São Paulo não é. Vamos fazer o possível para que o Paulo César de Oliveira não apite mais nossos jogos. O que ele fez foi demais", disse Gouvêa. A bronca do presidente nem é contra o pênalti dado aos 48 do segundo tempo, que tirou a vitória do Tricolor. "O pênalti não existiu. Mas esta não é a primeira vez que o São Paulo é prejudicado por esse cidadão. O pior foi o abuso de autoridade, a forma como perseguiu o Grafite e outros atletas". Quarta-feira, contra o Coritiba, o São Paulo já poderá contar com Fábio Santos e Danilo, que cumpriram suspensão contra o Guarani. Em compensação, o time não terá o ala/atacante Jean, que recebeu o terceiro amarelo. Lugano, Rodrigo, Cicinho, Edcarlos, Ramalho e Diego Tardelli também estão ?pendurados?.

Agencia Estado,

29 Agosto 2004 | 19h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.