São Paulo exige vistoria no estádio

O título da Copa Libertadores só começa a ser decidido na quarta-feira, entre São Paulo e Atlético-PR, mas a bagunça já entrou em campo: até agora, o local do primeiro jogo não está confirmado.Para tentar cumprir o regulamento da competição - que exige 40 mil lugares para os estádios das finais -, a diretoria do Atlético-PR mandou derrubar um muro que separa a Arena da Baixada de uma escola e começou a construir arquibancadas tubulares, com capacidade para 16 mil pessoas. Mas os dirigentes são-paulinos estão reclamando da solução encontrada.A diretoria do São Paulo foi categórica em apontar os riscos de o jogo ser disputado nessas condições. "É uma burla ao regulamento, uma aventura. Muita gente pode morrer", disse Juvenal Juvêncio, diretor de futebol do clube. O presidente Marcelo Portugal Gouvêa também não aceitará passivamente qualquer decisão. "Quero ver a vistoria no estádio e quem será responsável por ela. Não podemos colocar os torcedores em risco", avisou. "Vou exigir que o regulamento seja cumprido."A CBF exige que até terça-feira uma vistoria seja feita no estádio do Atlético-PR, que só será liberado mediante laudo do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) e da Polícia Militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.