São Paulo faz treino secreto, e Rogério Ceni bate faltas

Assim como fez o Internacional ao longo da semana, o São Paulo promoveu um treino secreto na noite desta terça-feira, no Estádio do Morumbi, palco do primeiro confronto contra os gaúchos, pela final da Copa Libertadores da América. A partida acontece nesta quarta, às 21h45.O técnico Muricy Ramalho permitiu que a imprensa acompanhasse apenas os primeiros 45 minutos dos trabalhos. Os jogadores fizeram exercícios físicos e depois os jornalistas foram convidados a se retirarem do gramado. No entanto, foi possível ver que o clube paulista treinou bolas paradas, com faltas batidas pelo goleiro Rogério Ceni. As jogadas áreas também foram realizadas, pois é um dos pontes fortes do atacante rival Fernandão, elogiado pelo camisa 1 e pelo zagueiro Diego Lugano."Queríamos um pouco de privacidade e também procuramos evitar o desgaste de pedir para desligarem as câmeras. Foi mais um jeito de ficarmos mais concentrados", disse Muricy, que comandou o treino com vários dirigentes e sócios presentes no gramado e nas arquibancadas do estádio.Para o comandante, o treino à noite serviu para diminuir a tensão antes do jogo contra os gaúchos. "Estamos concentrados desde segunda-feira, então fica complicado para o jogador. É muito tempo livre para pensar no jogo. Se treinássemos de manhã, eles teriam o dia inteiro livre e mais a quarta para pensar na partida", analisou. "Então preferi trazer o time à noite, diminuindo esse tempo de espera, e também para treinar à luz do jogo".Já o goleiro Rogério Ceni disse que o time está motivado para conquistar o tetracampeonato da principal competição sul-americana de clubes. "Antes do jogo contra o Chivas, o Muricy disse que não poderíamos perder o terceiro jogo para eles (o time foi superado duas vezes por 2 a 1 na primeira fase). Agora contra o Inter, ele lembrou que estamos há cinco jogos sem vencer, mas vamos tentar acabar com essa seqüência negativa", disse o camisa 1 são-paulino.O capitão do São Paulo também lembrou da qualidade do time de Porto Alegre, que foi vice-campeão brasileiro no ano passado. "Mas é importante frisar que o Inter não é o Chivas. Eles são mais qualificados e será uma grande final, que a Libertadores merecia. Os dois times mostraram o melhor futebol no primeiro semestre", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.