Felipe Spindola/Divulgação
Felipe Spindola/Divulgação

São Paulo fecha treino e exige atividade intensa de jogadores antes do clássico

Tricolor enfrenta o Santos na próxima quinta-feira, no Pacaembu

Estadão Conteúdo

08 Outubro 2016 | 17h46

Em busca de sair da situação delicada na qual se encontra na tabela do Campeonato Brasileiro, o São Paulo treinou intensamente sob um forte calor na manhã deste sábado, com os portões fechados para a imprensa, no CT da Barra Funda. O time vem de quatro jogos sem vitória e tem pela frente o clássico contra o Santos, na próxima quinta-feira.

A equipe comandada pelo treinador Ricardo Gomes começou as atividades desta manhã meia hora antes do normal, pois o time pisou no gramado já às 8h30. Sob o sol que deu as caras na capital paulista, o treino teve início com um aquecimento intenso. Os preparadores Zé Mário e Kako Perez dividiram o grupo em quatro times e organizaram um trabalho com bola em campo reduzido. Em seguida, os atletas complementaram a prática utilizando aparelhos para realizar saltos e variações de movimento.

Na sequência, Ricardo Gomes reuniu o elenco para uma rápida conversa e iniciou o trabalho tático de uma hora. O técnico dividiu a atividade em séries de até dez minutos, com pausas para reidratação. O treinador exigiu muita intensidade dos atletas, com movimentação, troca de passe entre os setores, inversão rápida de jogo, focando bastante na utilização das laterais do campo.

O São Paulo ocupa a 13.ª posição do Brasileirão, com 36 pontos, três a mais que o Cruzeiro, primeiro time na zona de rebaixamento. A equipe vem de duas derrotas, diante de Atlético-PR e Vitória, e dois empates, contra Sport e Flamengo.

Como parte do acordo firmado pelos dois clubes no início do torneio, São Paulo e Santos se enfrentam pela segunda vez no Pacaembu - no primeiro turno, o rival saiu com a vitória por 3 a 0. O clássico do returno será disputado na próxima quinta-feira, às 21h, com mando da equipe do Morumbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.