Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

São Paulo ganha do Ceará por 2 a 1 e encerra jejum de vitórias

Time tricolor ameniza os problemas e, assim, sobe na classificação do Brasileirão

MILTON PAZZI JR., estadão.com.br

31 de julho de 2010 | 20h25

SÃO PAULO - O São Paulo conseguiu a vitória que precisava para ficar mais tranquilo nesta semana decisiva. Venceu por 2 a 1 o Ceará no Estádio do Morumbi, neste sábado, pela 12.ª rodada do Campeonato Brasileiro, e voltou a ganhar após quase dois meses, ou cinco partidas (eram quatro derrotas e um empate).

Veja também:

linkApós vitória, São Paulo confia em vaga na Libertadores

SÉRIE A - listaResultados | tabela Classificação

som GOLS (Eldorado/ESPN) - 1x0 | 2x0 | 2x1

Os gols de Fernandão e Ricardo Oliveira levam o time tricolor para 15 pontos, momentaneamente na zona intermediária da classificação. E, consequentemente, encontram uma certa paz para a partida de quinta-feira, contra o Internacional, pela volta da semifinal da Copa Libertadores, onde precisam tirar a desvantagem de dois gols. Na Série A, pegará o Atlético-PR, fora, no domingo.

O problema fica para o time cearense, do técnico Estevam Soares - que reclamou bastante no final do árbitro Evandro Rogério Roman, com certa razão, por algumas faltas não marcadas a favor. Como não vence há cinco jogos, o time alvinegro deve despencar ainda mais na tabela, saindo do terceiro lugar. Terá uma semana para se reorganizar, pois só enfrenta o Atlético-GO, em casa, no próximo domingo.

MUDANÇA. Para tentar a vitória, o técnico Ricardo Gomes optou por escalar o que considera o melhor de seu grupo de jogadores. Mas mudou a dupla de ataque: Fernandão e Dagoberto ficaram no banco de reservas, com Fernandinho e Ricardo Oliveira como titulares. "Fernando e Dagoberto estavam muito desgastados, esperei até hoje [sábado], não dava", explicou Gomes.

A alteração na frente foi boa? Depende. A dupla criou uma ótima chance de gol: aos seis minuto, Fernandinho chegou no fundo como ponta esquerda e cruzou rasteiro para o atacante, que chutou a bola forte, mas alto e para fora. Depois disso, juntos, mais nada. Por outro lado, o susto mostrou a postura do time cearense, um padrão no futebol quando joga fora de casa: privilegiar a marcação e apostar no contra-ataque.

Nesse contexto, o São Paulo dominou. Criou mais três boas chances de gol, mais em bola cruzada e em escanteio ou faltas, com Hernanes, Alex Silva (nas cabeçadas) e Marlos. O Ceará tentava emplacar algo na velocidade e, apesar da correria, o mais expressivo foi conseguir que o zagueiro Miranda tomasse um cartão amarelo.

TROCA. Para o segundo tempo, saiu o zagueiro Xandão (que teria sentido dores musculares) para a entrada de Fernandão. Ricardo Oliveira, mesmo sem ritmo, continuou. "A sensação foi boa [de começar como titular], o time está bem, é importante fazer um esforço maior para garantir os três pontos", discursava, ao SporTV. Ao fundo, os torcedores são-paulinos vaiavam o técnico.

Ao deixarem de errar tantos passes como foi na etapa inicial, o nível do jogo no Morumbi melhorou muito. Ficou corrido e com poucas faltas. Mas faltava a finalização efetiva ao gol, aquela que entra no gol ou exige uma grande defesa do goleiro. E o time desencantou aos 20 minutos, quando Hernanes cruzou na cabeça de Fernandão, no escanteio, e o atacante testou firme.

A comemoração dos são-paulinos foi com o técnico Ricardo Gomes, para mostrar apoio. Dois minutos depois, veio o segundo gol, na arma do adversário, um contra-ataque. Só que com um erro: ele não deu falta de Miranda, ao tirar a bola de um adversário, e Dagoberto lançou Ricardo Oliveira, que na corrida só chutou na saída do goleiro Diego para ampliar o placar.

SUSTO. A vitória já parecia confirmada quando o reserva Erick Flores fez uma boa jogada individual pelo meio-campo e chutou, da entrada da área, no cantinho de Rogério Ceni, rasteiro, e descontou para 2 a 1. O goleiro, que não tinha como evitar esta bola, foi responsável por boas defesas durante a partida. As que o time precisará daqui para frente. E evitar a pressão do Ceará que tomou no final.

 SÃO PAULO2 - Rogério Ceni; Alex Silva, Miranda  e Xandão (Fernandão); Jean, Cléber Santana, Hernanes, Marlos e Júnior César; Fernandinho (Dagoberto) e Ricardo Oliveira (Casemiro). Técnico: Ricardo Gomes.

 CEARÁ - 1 - Diego; Oziel, Fabrício, Anderson e Hernandes; Heleno (Ailton), Careca, João Marcos (Erick Flores) e Geraldo (Tony); Misael e Washington. Técnico: Estevam Soares.

Gols - Fernandão, aos 20, Ricardo Oliveira, aos 22, e Erick Flores, aos 39 minutos do segundo tempo; Árbitro - Evandro Rogério Roman (PR); Público - 11.793 pagantes; Renda - R$ 242.050,59; Local - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.