Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

São Paulo inaugura nesta terça a 'Calçada da Fama' do Morumbi

Rampa do portão 17 terá nomes de 99 ídolos estampados no chão; projeto futuro prevê homenagem a treinadores

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

07 Agosto 2018 | 05h00

O São Paulo vai inaugurar na noite desta terça-feira, a partir das 19h30, a "Calçada da Fama" do Morumbi. Nomes de 99 ídolos da história do clube, entre eles todos os campeões mundiais de 1992, 1993 e 2005, estarão representados na rampa do portão 17 do estádio, nos mesmos moldes da famosa calçada de Hollywood. Aliás, até para não haver problema legal com o ponto turístico de Los Angeles (EUA), o nome foi modificado: será chamado de Caminho dos Ídolos. 

+ São Paulo inclui Morato em oferta por Everton Felipe e aguarda

+ Militão dá adeus ao São Paulo e diz que sai com sentimento de dever cumprido

+ 'Tenho o pensamento do time, que nunca desiste', diz herói do São Paulo

"Originalmente, o Itagiba (Francez, conselheiro do clube) queria fazer Calçada da Fama. Quando vazou a primeira notícia da inauguração, quando ainda nem ia acontecer, um advogado me ligou dizendo o seguinte: 'Eu represento não sei quem, os detentores do nome Calçada da Fama, que é de Hollywood, uma marca vitalícia'. Ele me aconselhou a não usar. Para evitar tudo isso, eu me reuni com companheiros e resolvemos verificar a vericidade disso. Aí dei o nome de Caminha dos Ídolos", explica Homero Bellintani, também conselheiro são-paulino e um dos idealizadores do projeto.

Cada atleta homenageado terá uma placa de 50 cm x 50 cm no chão, com a estrela e o nome no disco. Além dos campeões mundiais como Raí, Toninho Cerezo e Rogério Ceni, estarão representados ídolos de várias gerações, de Friedenreich e Leônidas a Careca e Kaká. Mas por que 99 especificamente? Bellintani explica:

"Enviei uma relação de 151 nomes. Foram feitas votações em sites do São Paulo, junto a sócios, quem quisesse opinar. O presidente Leco quis os campeões de 1992, 1993 e 2005. E vieram outros do passado, como Belini , Mauro, Poy... O Conselho Consultivo tirou alguns, acrescentou outros. Demorou quatro meses. Aí ficaram os esses", diz o conselheiro.

Cadê o Telê? Num primeiro momento, causou estranheza o fato de Telê Santana, um ícone da história do clube, não ter sido contemplado. Mas é porque o Caminho dos Ídolos vai homenagear apenas jogadores.

"Há um projeto para fazermos uma parede na mesma rampa, só com os grandes treinadores: Cilinho, Muricy Ramalho (que já será um dos homenageados como jogador), Telê... E também haverá um outro espaço com os nomes de todos os jogadores que o São Paulo já teve", conta Bellintani.

De acordo com o conselheiro, o projeto teve custo de R$ 80 mil, pagos pelo clube. A princípio, qualquer torcedor que desejar visitar o espaço terá livre acesso. "Até quem comprar ingresso e quiser conhecer, obviamente vai vir pela rua, entra no portão 17, sem problema nenhum", completa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.