Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

São Paulo joga para assumir a liderança do Campeonato Paulista

Equipe recebe a Linense no Morumbi e se vencer, ultrapassa a Ponte Preta, que entra em campo domingo

FERNANDO FARO, Agência Estado

23 de fevereiro de 2013 | 08h34

SÃO PAULO - Mesmo tendo um jogo a menos do que os principais concorrentes no Paulistão, o São Paulo vai dormir como líder da competição se fizer o dever de casa e bater o Linense neste sábado, a partir das 18h30, no Morumbi. Se conseguir a vitória, chega aos 19 pontos e ultrapassa a líder Ponte Preta, que tem 18 e recebe o São Bernardo no domingo.

Embora o planejamento do técnico Ney Franco seja manter o time entre os quatro primeiros colocados do Paulistão para garantir a vantagem de fazer os confrontos da fase eliminatória em casa, é possível dizer que o São Paulo tem hoje uma missão talvez ainda mais importante do que assumir a liderança. O jogo com o Linense será o último antes da partida de quinta-feira contra o The Strongest, pela Libertadores, quando precisa se recuperar da derrota na estreia para o Atlético-MG.

Por isso, o jogo com o Linense servirá como preparação para a Libertadores. A principal preocupação são-paulina está na defesa, justamente um dos setores mais consistentes no ano passado e que foi fundamental para a equipe se recuperar no segundo semestre. Foram oito gols sofridos em cinco jogos em fevereiro, sangria que nem a entrada do zagueiro Rafael Tolói para atuar ao lado de Lúcio foi capaz de estancar - foram quatro gols sofridos nos dois jogos com a nova dupla de zaga.

"É o grupo todo que vem tentando se acertar e estamos sofrendo alguns gols, mas a equipe está bem. É normal, é uma questão de tempo e foi da mesma forma no ano passado, quando nos acertamos no decorrer das competições", afirmou Rafael Tolói.

O time que estará em campo será praticamente o mesmo que venceu o São Caetano na última quarta-feira. A única mudança fica por conta da entrada do volante Wellington na vaga de Denilson, poupado pelo excesso de jogos. Ney Franco agora experimenta uma formação com um meio mais técnico e de maior capacidade de toque de bola - Maicon, Jadson e Ganso completam o setor.

"Fica um time mais rápido e a posse de bola é melhor por serem jogadores de qualidade, são jogadores que sabem o que fazer com a bola", ponderou Douglas. O maior problema diante do São Caetano foi a fragilidade na marcação no meio, mas a expectativa é que Wellington, que voltou a jogar bem no meio de semana, consiga proteger bem a defesa. "Nosso ataque está conseguindo fazer os gols, infelizmente tomamos, mas vamos trabalhar juntos", completou o lateral.

Terceiro colocado do Paulistão, com os mesmos 16 pontos do São Paulo, o Linense é encarado como um adversário capaz de complicar a vida são-paulina neste sábado. "É uma equipe com jogadores experientes e bons valores. Não estão nessa posição por acaso", elogiou Rafael Tolói.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.