São Paulo lamenta as chances perdidas

O empate diante do Santos, que custou a eliminação nas oitavas-de-final da Copa Sul-Americana, pode ter efeitos ainda piores para o São Paulo. Além de desperdiçar a chance de conquistar uma bolada de mais de US$ 1 milhão - paga pela Conmebol ao campeão do torneio -, a preocupação passou a ser o psicológico dos jogadores para o jogo de domingo, novamente contra o Santos, pelo Brasileiro."Fizemos 1 a 0, poderiamos ter feito 2 e mesmo depois do empate poderíamos ter marcado o segundo. Tivemos chance aos 46, 47 e 48. Parecia um teipe do primeiro jogo. Tomamos um gol em uma desatenção e tomamos gols de dois jogadores baixos - Elano (no primeiro jogo) e Preto Casagrande - que tiveram que se abaixar para marcar", reclamou o técnico Emerson Leão, que disse que o zagueiro Fabão deverá ser punido por sua expulsão."Tivemos a chance de matar o jogo e não matamos. Agora é lutar domingo no Brasileiro e esquecer a Sul-Americana", lamentou Grafite. O atacante saiu de campo sem quebrar o tabu de nunca ter marcado um gol com a camisa do São Paulo em clássicos.Os jogadores são-paulinos saíram do gramado tentando manter o moral alto. Principalmente porque o jogo de domingo é muito mais importante do que a partida desta quarta-feira, já que o Santos luta para seguir na cola do líder Atlético Paranaense e o São Paulo ainda tem esperanças de chegar ao título."Fizemos um ótimo jogo e não tem o que explicar. Agora é erguer a cabeça e lutar pelos três pontos do domingo. Temos de fazer mais gols", cobrou Cicinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.