Daniel Teixeira/AE - 29/8/2011
Daniel Teixeira/AE - 29/8/2011

São Paulo lembra de retrospecto do tri para ser campeão do Brasileiro

'São Paulo tem histórico de arrancar no 2.º turno e vamos em busca disso', projetou Adilson Batista

AE, Agência Estado

30 de agosto de 2011 | 10h52

SÃO PAULO - A dois pontos do líder Corinthians e na terceira colocação do Campeonato Brasileiro, com 35 pontos, o São Paulo aposta no retrospecto dos títulos de 2006, 2007 e 2008 para ser campeão nacional neste ano. Nas três ocasiões, principalmente na última, a equipe contou com um grande desempenho no segundo turno para conquistar a competição.

"Não gosto muito de ficar lamentando, mas deixamos alguns pontos para trás. Mas o São Paulo tem o histórico de arrancar no segundo turno e vamos em busca disso. Vamos trabalhar forte e sempre visando os títulos. Estamos próximos da liderança ainda", afirmou o técnico Adílson Batista, em declaração publicada nesta terça-feira pelo site oficial do clube.

Em 2006, o time do Morumbi fez 40 pontos no segundo turno, após 38 no primeiro. No ano seguinte, foram 37 pontos na segunda metade, após 40 na primeira. Mas o caso mais impressionante foi em 2008, quando o São Paulo virou o turno a oito pontos da liderança e viu a diferença chegar a 11, com a derrota para o Grêmio, na primeira partida do segundo turno. Mesmo assim, conseguiu a arrancada e chegou ao título na última rodada. Na ocasião, fez 42 pontos na segunda parte do campeonato, após ter contabilizar 33 na primeira.

"O São Paulo tem histórico de arrancar no segundo turno. E vamos com este objetivo agora. Estaremos diante de nossa torcida e vamos buscar os três pontos para tentar alcançar o primeiro lugar", afirmou o volante Wellington.

Para chegar a este objetivo, no entanto, a equipe não pode vacilar. Assim, na partida diante do Fluminense, nesta quarta-feira, às 21h50, no Morumbi, o único resultado que interessa é a vitória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.