São Paulo luta contra o sono no Japão

O São Paulo trabalha duro para derrotar o sono, um dos inimigos na preparação para o Campeonato Mundial de Clubes da Fifa. A previsão da Comissão Técnica é de ter todos os jogadores totalmente adaptados ao fuso horário, no máximo, até sexta-feira. ?Queremos que os jogadores se comportem como japoneses o mais rápido possível. Isso vai ajudar muito na nossa preparação?, diz o fisiologista Turíbio Leite de Barros. Nesta quarta, mal chegou de uma viagem de 26 horas, os jogadores foram treinar. Uma forma de afugentar o sono. ?Treinamos uma hora, com alongamento, posse de bola e outros tipos de trabalho. Foi muito proveitoso?, afirma o preparador físico Carlinhos Neves. Na volta ao hotel, todos almoçaram às 16 horas e depois foram fazer um passeio turístico por Tóquio. O ponto preferido era Akihabara, bairro famoso por conter mais de 50 lojas em concorrência feroz para vender eletro-eletrônicos mais baratos. ?A gente gasta dinheiro e isso faz o sono demorar para chegar?, conta Cicinho. Todo o trabalho desta quarta contra o sono foi precedido de cuidados já durante a viagem. Os jogadores tinham um aparelho de eletro-indução nas pernas, que, com minúsculos choques, fazia com que o corpo ficasse mais estimulado e que as horas de sono durante a viagem fossem bem poucas. Na chegada ao aeroporto de Narita, às 9h40 (horário local), a delegação do São Paulo foi recepcionada por Toninho Cerezo, campeão do mundo em 1992 e 1993, que falou rapidamente com dirigentes e jogadores. Também havia 20 torcedores uniformizados, que cantaram o hino do clube e alguns gritos de guerra. Flávio Henrique, de 24 anos, se entusiasmou e tentou chegar aos jogadores que estavam isolados com cordas. Foi interceptado rapidamente pelos guardas japoneses. ?Trabalho como peão de obra aqui no Japão e vim ver os jogadores do meu time. Corri para buscar um autógrafo do Rogério Ceni, mas o guarda me pegou. Japonês é muito chato?, disse Rogério, o único torcedor que não tinha olhos puxados.

Agencia Estado,

07 de dezembro de 2005 | 16h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.