Arquivo/AE
Arquivo/AE

São Paulo: Muricy Ramalho vive declínio em clássicos

Aproveitamento contra os rivais é de apenas 16,6% em 2009; sábado time encara o Palmeiras pelo Paulistão

Marcius Azevedo - Jornal da Tarde,

26 de março de 2009 | 10h51

SÃO PAULO - Nos dois primeiros anos sob o comando de Muricy, o São Paulo se notabilizou por dificilmente ser derrotado em clássicos. Agora, o treinador enfrenta uma nova realidade às vésperas da partida contra o Palmeiras, sábado, no Morumbi, pelo Paulistão 2009.

 

Veja também:

linkBorges sente dores no joelho e vira dúvida para clássico 

linkSão Paulo bate Noroeste e se aproxima da semi no Paulistão 

linkFPF confirma jogo no Prudentão e São Paulo reclama

linkApós vitória, são-paulinos já pensam no clássico

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

O técnico atravessa um evidente declínio. Nesta temporada, o aproveitamento contra os rivais é de apenas 16,6%. O time tricolor empatou por 1 a 1 com o Corinthians e perdeu para o Santos por 1 a 0 na Vila Belmiro.

 

Mas não é somente em 2009 que os números estão ruins. No ano passado, o técnico já enfrentou uma queda em seu desempenho em clássicos. Ela não foi tão acentuada, mas existiu.

 

Em 2008, o clube do Morumbi, pela primeira vez com Muricy, fechou o ano com um desempenho inferior aos 50%. Foram nove clássicos, com três vitórias, quatro empates e duas derrotas. Um aproveitamento de 48,1%. Os números são bem inferiores aos de 2006 e 2007.

 

Em sua primeira temporada, Muricy conseguiu 69,6% de aproveitamento em 11 clássicos que disputou. Foram sete vitórias, dois empates e duas derrotas.

 

No segundo ano de Muricy, o desempenho foi de 66,6% em nove clássicos. Foram cinco vitórias, três empates e uma derrota.

 

O baixo aproveitamento preocupa, levando-se em consideração uma hipotética semifinal do Paulistão. O único classificado é o Palmeiras. O Corinthians também está perto da vaga. E ainda tem o Santos na briga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.