São Paulo não deixa Lugano sair

O medo do presidente Marcelo Portugal Gouvêa e dos torcedores do São Paulo de perder jogadores antes do Mundial de Clubes, no Japão, acabou. Hoje, o clube recusou proposta de 8 milhões de euros do Sevilla, da Espanha, pelo zagueiro Diego Lugano. Com isso, está garantida a manutenção do elenco até o fim do ano. Lugano lidera amanhã o São Paulo contra o Internacional, às 21h45, no Morumbi, na luta por uma vaga na próxima fase da Copa Sul-Americana. Os paulistas têm de vencer por 1 a 0 - perderam o primeiro confronto, em Porto Alegre, por 2 a 1 - ou dois gols de diferença. "Embora tenha sido uma grande oportunidade de transferência, estou muito bem no São Paulo e não abro mão em disputar o Mundial pelo clube que me dá total apoio e reconhecimento", declarou Lugano. Depois da venda de Cicinho para o Real Madrid, da Espanha - o lateral-direito só se apresenta em janeiro -, o grande temor dos dirigentes são-paulinos era a saída do uruguaio. Ídolo da torcida e recordista de venda de camisas, o zagueiro é considerado um dos líderes da equipe. Destaque na conquista da Taça Libertadores, Lugano teve o nome cogitado pelo Real Madrid, da Espanha, e até pelo Liverpool - cuja proposta, de pronto, foi recusada pela diretoria do São Paulo, já que os ingleses serão adversários no Mundial, em dezembro. Apesar de não considerar ninguém inegociável, a diretoria do São Paulo se esforçou para manter alguns jogadores até o fim do ano. O zagueiro Fabão e o lateral Júnior também tinham propostas do futebol europeu e japonês, mas receberam aumento salarial e seguem o elenco. No caso da oferta feita pelo Sevilla, também pesou o desejo de Lugano de permanecer no Morumbi. Além da identificação com o clube, o uruguaio raciocinou que pode sair muito mais valorizado, depois do Mundial de Clubes. Acesso ao futebol europeu não será problema, afinal seu empresário é Juan Figer, de intensa ligação com clubes do continente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.