São Paulo não desiste de Ricardinho

A história de amor e ódio envolvendo São Paulo, Corinthians e Ricardinho está ficando mais dramática e cansativa que novela mexicana. Os capítulos avançam e o fim não chega. Mesmo sabendo que o procurador do jogador, Rubens Pozzi, e o vice-presidente de finanças corintiano, Carlos Roberto de Mello, estão na Inglaterra para tentar negociá-lo, os são-paulinos não desistem. Não confiam que algum clube inglês, Middlesbrough ou Ledds, faça alguma proposta real por ele. "Eles estão lá para ver se realmente há uma proposta. Se houver e eles negociarem o Ricardinho, aí tudo bem, nós desistimos. Caso contrário, vamos tentar contratá-lo. Ainda estamos confiantes", afirmou Carlos Augusto de Barros e Silva, diretor de futebol do São Paulo. No Morumbi, o caso Ricardinho está virando motivo de piada, principalmente entre conselheiros da oposição. Muitos acham que a atual diretoria está fazendo papel de boba e acreditando em contos de fada. O mesmo faz Antonio Roque Citadini, vice-presidente de futebol do Corinthians. Ele comenta, com amigos, que o São Paulo está sendo mal comandado. "O Ricardinho não vai para o São Paulo. Ou vai para Europa ou fica no Corinthians", garantiu. Outro imbróglio que não tem fim é o referente ao zagueiro Régis, do Fluminense. O São Paulo ainda não conseguiu definir sua contratação. Os dirigentes, que ofereceram Reginaldo Cachorrão ao clube carioca, esperam fechar o negócio nesta sexta-feira. Nesta quinta-feira, o técnico Oswaldo de Oliveira comandou o último treino coletivo antes da estréia do time no Campeonato Brasileiro, sábado, contra o Paysandu, no Morumbi. Os titulares venceram os reservas por 2 a 1, gols de Kaká e Luís Fabiano. O jovem atacante Rico havia aberto o placar para os suplentes, aproveitando boa jogada de Leandro. Oswaldo de Oliveira optou por realizar o treinamento no Morumbi para que os jogadores começassem a se ambientar com o gramado do estádio, onde acontece o jogo de estréia.

Agencia Estado,

08 Agosto 2002 | 19h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.