São Paulo não deve ter reforços agora

Que o São Paulo precisa de reforços para o meio-campo e o ataque, não é novidade para a diretoria nem para os torcedores. Porém, dificilmente os dirigentes conseguirão trazer um reforço de peso para a Taça Libertadores. Diante das dificuldades nas negociações, o mais provável é que algum nome de peso só chegue depois do dia 20 de junho - última data para inscrever algum jogador na competição continental -, para a disputa do restante do Campeonato Brasileiro. Os nomes de França, Nilmar e Reinaldo já circularam entre os dirigentes, mas não houve nenhuma proposta concreta. França estaria mais próximo de um acerto, não fosse por um detalhe: neste momento, o atacante do Bayer Leverkusen, da Alemanha, não pretende voltar para o Brasil, pois já se sente ambientado à Europa. Só se não acertar os salários com o Celta, da Espanha, de quem tem boa proposta, volta a ter chances de retornar ao Morumbi. E mesmo no caso de França, a negociação pode demorar, já que o prazo para contratações na Europa só termina no fim de agosto. Reinaldo também se encaixaria no perfil pretendido pela diretoria do São Paulo por ter as características bem parecidas com as de Grafite, que se recupera de cirurgia no joelho direito e só volta aos gramados em 2006. Mas até o técnico Paulo Autuori não tem muitas esperanças de tê-lo no elenco. "Parece que ele recebeu boas propostas de outros clubes europeus", falou, a respeito do atacante do Paris St-Germain, da França. Se alguma contratação for definida nos próximos dias, será de algum jogador para compor o elenco, como o meia Juliano, revelado pelo Goiás, que está nos planos. Se não há perspectiva da chegada de grandes reforços, pelo menos por enquanto nenhum jogador está arriscado a sair do clube. Os casos que mais preocupavam a diretoria, os de Cicinho e Grafite, já foram solucionados. O primeiro renovou contrato até o fim de 2008 e o segundo, lesionado, não poderá jogar mais este ano. O caso Richarlyson segue indefinido e a diretoria do São Paulo não vai entrar na disputa judicial entre o jogador e o Santo André. Os dirigentes esperam poder contar com o meia-atacante no Campeonato Brasileiro, mas enquanto a Justiça não determinar o destino do jogador - se terá de voltar para o clube do ABC ou pode seguir no São Paulo -, não tomarão partido nenhum. Richarlyson continua treinando no CT da Barra Funda. Em Belém, dirigentes do Paysandu consultaram Marcelo Portugal Gouvêa, presidente do São Paulo, sobre a possibilidade de empréstimo do meia-atacante Vélber. Receberam resposta negativa. "Não vamos liberar ninguém do elenco agora, porque o elenco está reduzido, com a perda do Grafite", disse Portugal Gouvêa. "Depois da Libertadores, podemos conversar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.