São Paulo não fala sobre reforços

Depois da frustração da não contratação do meia Ricardinho, o presidente do São Paulo, Marcelo Portugal Gouvêa ordenou que todos os diretores do clube não mais falem em negociações em andamento. Isso porque alguns conselheiros consideraram o anúncio do interesse do clube no corintiano, como uma jogada de marketing da nova diretoria, causando um mal estar no Morumbi. Sendo assim, a vinda do zagueiro Régis e do atacante Leandro serão anunciadas apenas quando os atletas assinarem contrato. "Estou proibido pelo presidente de falar do assunto, mas não há nada com estes atletas", despista o diretor de Futebol, Carlos Augusto de Barros e Silva. O próprio presidente se mostra precavido. "Não falo mais sobre contratações, isso piora a situação. Quando tiver tudo certo, todos saberão." Mas adianta. "Pretendo reforçar o elenco com um zagueiro, um atacante e um meia." O procurador de Leandro, Oliveira Júnior, também nega contatos. "Não estou conversando com ninguém." Mas pessoas ligadas a ele, revelam que encontros com dirigentes do São Paulo estão acontecendo. Uma ação na Justiça contra o Grêmio, que deve cerca de R$ 1,65 milhão a Leandro, é o motivo para que ele não seja anunciado oficialmente. Há ainda, o vínculo com o clube gaúcho, até o dia 10 de agosto. "Entre amanhã e quarta, o Leandro deve rescindir com o Grêmio e até o fim da semana, estará no novo clube", revela Oliveira. Mas não confirma que seja o São Paulo. "Há muitos clubes atrás dele," desconversa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.