São Paulo: obrigação de vencer

O São Paulo é um time que lutacontra quatro adversários, às 16 horas, no Morumbi: o Goiás, apressão pela volta das vitórias, o desânimo que ameaça contagiaros jogadores e o medo de cair para a zona de rebaixamento doCampeonato Brasileiro. Os obstáculos são muitos, mas todos podem ser resolvidoscom um simples resultado positivo - que o time não conquista háseis jogos, desde a final da Copa Libertadores. "A vitória virácom naturalidade, não adianta ficarmos ansiosos", afirma otécnico Paulo Autuori, que procura aliviar a tensão sobre aequipe. "Só estamos nessa situação porque falhamos em algunsjogos e deixamos de somar pontos." A verdade é que a seqüência sem triunfos incomoda muito.Nas conversas antes e depois das partidas, os jogadores já nãoconseguem encontrar uma explicação pelos fracos resultados."Contra o Palmeiras, jogamos bem no primeiro tempo, mas nãovencemos porque não era para ser", arrisca o zagueiro Alex."Não poderíamos ter recuado tanto", opinou o lateral Júnior."O que mais incomoda é sofrer os gols no fim das partidas, comotem ocorrido", observou o meia Richarlyson. APOIO TOTAL - A comissão técnica e a equipe têm respaldoda diretoria. O presidente Marcelo Portugal Gouvêa aprovatotalmente o trabalho do técnico Paulo Autuori e lembra que hápoucos dias o time era o melhor da América do Sul. Dessa forma,o melhor a fazer é cultivar o discurso otimista. "Se vencermosa primeira, poderemos voltar a sonhar em brigar pelos primeiroslugares", projeta Richarlyson. "A chance de sermos rebaixadosé de zero por cento", garante Cicinho. O rival desta tarde, porém, não está disposto afacilitar. Por isso, alguns jogadores prevêem sériasdificuldades. "O jogo vai ser mais difícil do que o que tivemoscontra o Palmeiras", disse Alex. "Temos de entrarpreparados." Por isso, é importante manter o padrão de jogo - Cicinho na lateral-direita, no lugar de Souza, é a única alteração naequipe - e saber administrar o resultado, algo que o time nãosoube fazer contra Brasiliense e Palmeiras. "O jogo não temapenas 45 minutos, temos de manter a concentração o tempo todo eprocurar tocar a bola no campo do adversário", receitaAutuori.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.