Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

São Paulo ultrapassa Cruzeiro e entra no top 5  dos sócios-torcedores

Clube do Morumbi chega a 71 mil seguidores no programa

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

04 Agosto 2015 | 10h50

O São Paulo ultrapassou na noite desta segunda-feira o Cruzeiro e chegou à quinta posição no ranking nacional de sócios-torcedores. Segundo a contagem do Movimento por um Futebol Melhor, o time do Morumbi conquistou cerca de 16 mil sócios nas últimas três semanas e chegou agora a 71.729, contra 71.677 da equipe mineira.

O lançamento dos novos planos de sócio-torcedor, em 14 de julho, impulsionou o São Paulo a saltar da oitava para a quinta posição em menos de um mês e liderar o número de adesões em julho. Em um único dia o clube chegou a registrar 5 mil novas adesões e nas duas semanas seguintes ao anúncio da reformulação do projeto, recebeu 15 mil novos participantes.

"Antes tínhamos cancelamento do programa após as derrotas do time. Agora não mais. Estamos crescendo acima da expectativa", disse ao Estado o vice-presidente de comunicações e marketing, Douglas Schwartzmann. De acordo com o dirigente, em dias após as vitórias do São Paulo cerca de 200 novos torcedores aderem ao programa. Já quando a equipe perde, a procura diminui: a média é de 80 ingressantes.

O ranking é liderado pelo Inter, com 147,4 mil torcedores, seguido pelo Palmeiras, com 129,5 mil. Na sequência estão o Corinthians, com 108,8 mil, e depois o Grêmio, com 84,3 mil participantes.

O São Paulo foi o primeiro clube do Brasil a criar um programa de fidelização dos torcedores, em 1999, mas admitiu ter sido superado por outras equipes. Em 2015 a diretoria decidiu renovar o projeto e em vez de três opções de planos para sócios-torcedores, passou a oferecer oito. Uma delas é voltada exclusivamente para torcedores que vivem fora do Estado de São Paulo.

Até o final do ano passado o São Paulo tinha 36,9 mil sócios. Segundo o Movimento por um Futebol Melhor, isso gerava uma expectativa de receita com o programa de R$ 13 milhões/ano. Agora, com cerca de 71 mil sócios, a estimativa de receita é de R$ 25 milhões.

A meta do clube é mais ambiciosa. Até o fim da temporada o São Paulo quer chegar a 110 mil novos sócios e gerar uma receita anual com o programa de até R$ 40 milhões, montante que compensaria a ausência de um patrocinador master.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.