São Paulo pensou em demitir Rogério

O goleiro Rogério Ceni conseguiu o que queria, entrar para a história do São Paulo. Mas, de forma negativa. Após julgar-se o "todo poderoso", e convocando entrevista coletiva para declarar que o presidente do clube, Paulo Amaral e o diretor de futebol, José Dias eram mentirosos e exigir retratação, o jogador tornou-se hoje, o primeiro atleta do Tricolor a ser suspenso. Ficará afastado por 28 dias, sem direito a treinar e receber salários. A advogada Gislaine Nunes, que o assessorou judicialmente, já prevendo que a atitude não traria bons frutos ao goleiro, até tentou contornar a situação, na quinta-feira à noite. Abriu mão de exigir uma retratação de Paulo Amaral, e ainda distribuiu elogios ao dirigente. "Ele é um homem sereno, apenas está mal assessorado", disse. A tentativa, no entanto, não funcionou. Em nota oficial, o presidente do clube mostrou sua autoridade e notificou a suspensão imposta ao jogador. "Outrossim, a Diretoria deliberou aplicar ao atleta a pena de suspensão por 28 dias, em virtude de conduta indisciplinada e incompatível com as suas obrigações legais e contratuais, ofensivas às tradições do São Paulo Futebol Clube", dizia o documento. E, pelo alvoroço que causou, a punição ao jogador até que ficou barata. "Poderíamos até tê-lo mandado embora, como está na contrato, mas pela história dele no clube, preferimos apenas multá-lo", declarou Francisco de Assis Vasconcelos, diretor jurídico do São Paulo. Pela cláusula 10 do contrato de Rogério, atos de indisciplina podem ser contidos, com multa, suspensão ou rescisão. "Pela legislação a punição pode ser de no máximo 30 dias", disse o diretor de comunicação do São Paulo, Eduardo Vieira, deixando claro que o "gancho? poderia ser maior. "Ele violou as regras do contrato, da Lei Pelé e da CLT. Vai ter que acatar a punição", afirmou João Zanforlin, advogado especializado em legislação esportiva. "Estas coisas devem ser resolvidas internamente, não com platéia e entrevista coletiva. Agora a advogada deve estar quebrando a cabeça para achar uma saída," completou. Para o conselheiro vitalício do clube, Carlos Caboclo, a saída para Rogério voltar seria a humildade de pedir perdão. "As vezes é melhor a gente engolir sapo senão, entra no esquecimento. O Rogério passa e o São Paulo continua." A suspensão de Rogério afetou também os jogadores. O zagueiro Rogério pinheiro, mal conseguia falar a respeito do caso. "Infelizmente chegou a este ponto. É uma decisão lá de cima, temos que acatar, mas o grupo estava com ele," enfatizou. "Ele é muito bom, vai fazer falta", disse França. O técnico Nelsinho Baptista preferiu não comentar o caso. "Foi uma decisão administrativa, que fugiu da nossa esfera e temos que acatar." Apesar da suspensão, Rogério está inscrito na Copa Mercosul. A boa notícia para Nelsinho é que o zagueiro Emerson será apresentado amanhã, às 11 horas, no CT da Barra Funda. "Quero tê-lo a disposição o mais rápido possível."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.