São Paulo perde artilheiro e dinheiro

Diego Tardelli, Rondón, Jean e Grafite. Será um deles capaz de substituir o goleador Luís Fabiano? O são-paulino com certeza acenará a cabeça negativamente como resposta. Incrédulos, ainda emendam outra pergunta: por que negociar o craque do time por cifras irrisórias? Depois de vender Kaká, em 2003, por "preço de banana", como frisaram dirigentes do Milan, mais uma vez fazem negociação por bem menos do que o pedido inicialmente. O presidente Marcelo Portugal Gouvêa acabou com as especulações e revelou: o artilheiro foi negociado com o Porto por US$ 9,5 milhões. Destes, US$ 8.550.000,00 ficam com o clube e US$ 950 mil com o jogador. E o Porto vai pagar 5% da negociação à Ponte Preta, formadora do atacante. Bem abaixo da multa rescisória de US$ 20 milhões. "O jogador voltou do Chile (Copa América) pedindo para ser negociado. Não tínhamos como segurá-lo", disse Gouvêa. Mas, diferentemente de Kaká, Luís Fabiano tinha contrato até 2008. O Porto adquiriu 25% do passe. Os outros 75% são de um fundo de investimento ligado ao futebol, a Global Soccer Investments, que já detém participação em vários jogadores do clube. A baixa quantia recebida, levando-se em consideração a importância do atacante, servirá para o São Paulo quitar o direito de imagem atrasado de alguns jogadores, entre eles, Rogério Ceni, agora a única estrela tricolor. Seriam dois meses pendentes. E, também, para contratar. Até o dia 14 de setembro o clube pode inscrever atletas no Campeonato Brasileiro. E a partir de amanhã, com o encerramento das inscrições no mercado europeu, concentra-se em Júnior e Sorín, atletas oferecidos ao clube. Além de resolver os problemas na lateral-esquerda e na meia (ambos fazem bem as duas funções), amenizariam o impacto da saída do goleador do time. O técnico Cuca está empolgado com a possibilidade da chegada dos reforços. "São grandes atletas, teriam lugar, sim, para atuarem juntos", disse. "E arrumaria até um espaço na direita para outro atleta deste nível." Já quanto à possível chegada de outro atacante, está pessimista. "Está difícil achar um camisa 9 no mercado. Nem um 8 e meio se encontra", conformou-se, para depois pedir paciência com os que agora serão obrigados a fazer gols. "Ninguém aqui tem a característica do Luís Fabiano." Lamentação no Brasil, festa em Portugal. Mais de 2 mil torcedores do Porto foram ao Estádio do Dragão para a apresentação do atacante. Foi o maior concentração da história do clube apenas para ver um novo jogador. A maior parte dos portistas já conhecia Luís Fabiano, a sua história e o número de gols marcados no último Campeonato Brasileiro: 29 em 34 partidas. Isso porque ele vinha sendo mencionado como reforço do time desde maio. Luís Fabiano chegou, deu autógrafos e chutou algumas bolas para o público. "Entrar no campeão europeu é um sonho que se torna realidade". O acerto ocorreu às 2h30 da madrugada de hoje, depois de 9 horas de negociações.

Agencia Estado,

31 Agosto 2004 | 20h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.