São Paulo perde dinheiro com briga

O imbróglio na Justiça envolvendo o futuro patrocinador do São Paulo vai causar prejuízo financeiro ao clube. Independentemente de qual empresa seja confirmada como parceira ? LG ou Siemens ?, é provável que a agremiação perca pelo menos 10% do valor a que teria direito pelo contrato no primeiro ano. O que significará algo em torno de R$ 800 mil. O patrocinador em 2004 não será obrigado a pagar o valor integral oferecido ? cerca de R$ 8 milhões pela Siemens e quase R$ 9 milhões pela LG ?, pois a marca da empresa não está sendo estampada na camisa da equipe neste primeiro mês do ano. Os pretendentes a um lugar no uniforme tricolor terão direito a desconto. Esse, por sinal, é um dos aspectos que irritam a diretoria. O São Paulo, após o fim da briga, estuda a possibilidade de entrar na Justiça contra os sul-coreanos pedindo indenização por perdas e danos. O clube havia fechado acordo com os alemães da Siemens, mas teve de postergar a decisão, pois a LG foi à Justiça e conseguiu liminar ? concedida pelo juiz Celso Maziteli Neto, da 4.ª Vara Cível de São Paulo ? que lhe garante a renovação do contrato de patrocínio para 2004. Os são-paulinos tentam, agora, cassar a liminar, mas é possível que a briga se estenda para pelo menos até o próximo mês. ?Vamos buscar uma reconsideração da liminar, por meio de uma medida urgente, mas isso também pode demorar?, declarou o advogado Kalil Rocha Abdalla, que representa a agremiação do Morumbi. As férias forenses, que vão até 16 de fevereiro, podem atrasar ainda mais o desfecho da novela. O São Paulo luta para se livrar da LG, parceira desde 2001, e ver o caminho aberto para acertar com a Siemens. Até porque, após a briga judicial, todos no Morumbi entendem que não há mais nenhum clima para a manutenção do casamento. Mesmo sabendo que os coreanos oferecem mais que os alemães. O clube teve de mandar confeccionar camisas sem o nome do patrocinador para a disputa da Copa São Paulo de Juniores. Hoje, Gilmar Rinaldi, empresário do meia Danilo, afirmou que o jogador assinará contrato amanhã com o São Paulo, embora o Goiás, seu antigo time, queira receber quantia em dinheiro para liberá-lo, alegando que seu vínculo havia sido firmado antes da nova Lei do Passe.

Agencia Estado,

05 de janeiro de 2004 | 19h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.