São Paulo perde por 1 a 0 do Estudiantes na Argentina

Num jogo muito disputado e de baixa qualidade técnica, o São Paulo perdeu por 1 a 0 para o Estudiantes de La Plata no caldeirão do Estádio Centenário de Quilmes, na Argentina, no primeiro confronto das quartas-de-final da Copa Libertadores da América. O time brasileiro atuou por quase 20 minutos com um homem a menos e ainda viu o árbitro chileno Rubén Selman anular um gol legítimo dos argentinos. As duas equipes voltam a se enfrentar somente no dia 19 de julho, no Morumbi. O empate dá a vaga ao Estudiantes. O São Paulo precisa vencer no mínimo por dois gols de diferença e sem sofrer gols. O ganhador desse duelo enfrenta quem passar de Vélez Sarsfield e Chivas. O jogo começou em alta tensão. Tentando impor disciplina, o árbitro distribuiu três cartões em menos de cinco minutos. Dois deles foram vermelhos, para André Dias e Pavone, que se estranharam após uma dividida. A péssima qualidade e as dimensões reduzidas do gramado também dificultavam um futebol mais refinado. Muitos erros de passes e trombadas de ambos os lados. Essência de uma partida decisiva de Libertadores. As chances mais claras só vieram no final do primeiro tempo. Aos 41, Alex Dias desviou chute cruzado de Souza e obrigou Herrera a se esticar todo para evitar que a bola o pegasse no contrapé. A resposta argentina veio dois minutos depois: após cobrança de falta, a zaga são-paulina saiu desordenadamente e Alayes tocou para o gol, mas o assistente Lorenzo Acuña marcou impedimento inexistente. O panorama continuou igual no segundo tempo: muita luta e pouco futebol. Para melhorar o toque de bola do seu time, Muricy trocou Alex Dias por Lenílson e adiantou Danilo para o ataque, aos nove minutos. Quinze minutos depois, o camisa 10 foi à linha de fundo e cruzou na medida para Júnior cabecear na trave esquerda. Mas a estratégia ruiu logo em seguida. Aos 26, Lugano entrou forte, recebeu o segundo cartão amarelo, e conseqüentemente, o vermelho. E lá se foi Lenílson para o banco, dando lugar a Edcarlos. Com superioridade numérica e mais espaço para jogar, o Estudiantes partiu para a pressão. Rogério Ceni salvou o São Paulo aos 38 minutos, após chute de Calderón. Mas não conseguiu repetir o feito aos 41: depois de defender uma cabeçada no canto esquerdo, viu Alayes completar para o gol.

Agencia Estado,

10 Maio 2006 | 23h40

Mais conteúdo sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.