São Paulo pode ter 2 estádios tombados

São Paulo poderá ganhar mais dois patrimônios históricos, ambos ligados ao futebol. O vereador Juscelino Gadelha, líder do PSDB na Câmara, pedirá na segunda-feira o tombamento dos estádios do Nacional e do Juventus. O requerimento será entregue no Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo e submetido ao conselho de preservação da cidade.O vereador defende que o Nicolau Alayon e o Rodolfo Crespi estão relacionados à história da cidade e precisam sobreviver às empreitadas imobiliárias que levantam edifícios em todos os lugares de São Paulo."Temos de preservar os monumentos do futebol para não corrermos o risco de amanhã vê-los transformados em galpões, estacionamentos e shoppings", defende Juscelino Gadelha.Os dois estádios caminham para seus centenários, ambos recheados de história. Foi no estádio do Juventus que Pelé diz ter feito o gol mais bonito da carreira. O pedido de tombamento da Rua Javari tem a ver com a ligação de sua história com a da Mooca e à dos próprios italianos.O Juventus foi fundado em abril de 1924. O estádio mantém até hoje as características daquela época. Tem capacidade para 4.900 pessoas. E não tem mais iluminação. Os jogos na Rua Javari começam às 15 horas, para aproveitar a luz do dia.O campo do Nacional é mais antigo. Data de 1919. O Nicolau Alayon foi fundado pelos ingleses da Companhia São Paulo/Railway, a estrada de ferro Santos-Jundiaí. O único estádio tombado em São Paulo é o Pacaembu. Quando isso acontece, nenhuma obra pode ser feita no local sem autorização do Conselho de Preservação da Cidade. Gadelha deverá ter resposta em um mês. O processo de tombamento pode durar de três a cinco anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.