São Paulo pode ter Cacá e Júlio Santos

Logo no primeiro treino do São Paulo após a conquista do Torneio Rio-São Paulo, o técnico Oswaldo Alvarez procurou deixar o entusiasmo de lado e encarar a dura realidade para o clássico contra o Palmeiras nesse domingo. Sem quatro titulares suspensos - o meia Carlos Miguel, o zagueiro Jean e os volantes Fabiano e Maldonado - o treinador terá trabalho para montar uma equipe. Dois dos substitutos imediatos para os ausentes, o meia Souza e o atacante Sandro Hiroshi, estão contundidos. Vadão sabe que terá de montar uma nova equipe que nada terá a ver com a que entrou em campo quarta-feira. "A tendência será um time diferente, taticamente falando." O técnico afirma que o goleiro Rogério, se estiver em condições de jogo, será titular. O técnico tem duas opções. Escalar o zagueiro Júlio Santos e utilizar esquema 3-5-2. Ou colocar mais um meia ofensivo, provavelmente o meia Cacá, e montar a equipe no esquema 4-4-2. Sobre a presença de Cacá, que marcou os gols na decisão, o técnico dá mostras de que pode mantê-lo mais um tempo no banco. "O Cacá não está longe de ser titular, mas não podemos nos precipitar, espero que ele tenha calma e a cabeça no lugar", disse o treinador. Segundo Vadão, escalar ou não o jogador não é seu maior problema. "Preciso ver as opções com calma e montar o meio-de-campo e ver o que ´casa´ melhor para esse jogo", avalia. "Estou esperando por minha oportunidade", afirma o jogador, preocupado em não pressionar. Vadão disse ter visto somente uma parte da partida do Palmeiras contra o Universidad de Chile, pela Libertadores. Preferiu não emitir uma opinião sobre a equipe fora o fato de que o time sob o comando de Celso Roth está bem diferente daquele que atuava com Marco Aurélio. Júlio Santos, que assim como o atacante Cacá e o meia Renatinho veio das equipes de base, diz que vive o maior momento de ansiedade de toda sua vida. "Não sei qual será a equipe que o professor Vadão vai escalar, mas estrear no time principal em um clássico para seria mim um sonho", afirma. Ele sabe que sua responsabilidade como zagueiro aumentará, mas garante que está habituado a jogar com o esquema de três zagueiros como fazia no time de juniores. "Na hora do jogo o medo vai embora." Como inspiração, o jogador tem o zagueiro Aldair. "Mas não dá para comparar, o Júlio é diferente", afirma.Ronaldinho - Outro assunto que agita o CT é a possibilidade do São Paulo contratar o atacante Ronaldinho Gaúcho. No desembarque da seleção brasileira, o jogador afirmou ter proposta do Tricolor, entre outros clubes, o que é negado pelo supervisor, José Teixeira, e o diretor de futebol, José Dias. Vadão também diz que não sabe de nada, mas não esconde que a contratação seria "uma boa notícia".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.