São Paulo preocupado com Hernanes, Jorge Wagner e Zé Luís

Os três jogadores deixaram o campo por problemas médicos na partida no Uruguai e vão para tratamento

Redação

01 de maio de 2008 | 13h15

O retorno do grupo de jogadores do São Paulo ao Brasil após o empate sem gols contra o Nacional, no Uruguai, pela Copa Libertadores, é cercado de atenção ao departamento médico. É que são três jogadores com problemas: os volantes Hernanes e Zé Luís e o meio-campista Jorge Wagner.Veja também: São Paulo empata com o Nacional pela Copa Libertadores Richarlyson destaca organização defensiva do São PauloA situação de Hernanes (dores no tornozelo direito) e de Jorge Wagner (dores no joelho direito) aconteceram em disputas de bola durante o jogo. O médico José Sanchez está mais preocupado com o meio-campista. "Jorge Wagner se queixou bastante, disse ter ouvido um estalo. Ele vai fazer tratamento para depois reavaliá-lo. Aparentemente não deve ser grave, e se teve algo pequeno, fica fazendo tratamento até o começo da semana", disse, em entrevista à rádio Jovem Pan.Já com o volante a situação é de tranqüilidade. "Ele já melhorou, o local está um pouco inchado, tem um trauma direto no tornozelo. Quando chegar no CCT vai fazer tratamento. Penso que não deva ser problema para o próximo jogo", diz o médico, lembrando que o São Paulo volta a jogar só na quarta-feira da semana que vem, contra o mesmo Nacional, na volta do confronto pelo torneio continental.MAIS CUIDADOA situação de Zé Luís é a que merecerá atenção mais detalhada. É que o jogador precisou ser substituído no intervalo por uma crise asmática, causada pela poeira em Montevidéu. "Medicamos e agora vamos avaliar melhor, porque é a segunda vez que acontece, para executar um tratamento de prevenção", resume Sanchez.AGORA É VENCERJá o técnico Muricy Ramalho, após o jogo de quarta, exaltou o fato do time ter conseguido o empate na casa do Nacional. "Agora temos de acreditar no nosso time em casa, lá [no Morumbi] vamos fazer a diferença. Nosso posicionamento foi correto, foi um jogo duro. Time que joga na Libertadores tem de impor para vencer", diz.As reclamações, desta vez, foram poucas. Para o árbitro Ruben Sélman e para o time, pelo primeiro tempo. "Juiz chileno deixa correr mesmo, apita muita falta lateral, arbitragem de Libertadores é assim mesmo. Quanto ao time, conversamos bastante no intervalo, adiantamos a marcação, e evitamos a derrota. O que estava me preocupando é que o time não vinha criando nada, e agora conseguiu."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.