São Paulo preparado para duas situações

Guerra ou jogo de xadrez? Os dois. Paulo Autuori garante ter um time preparado para as duas situações para o jogo de quarta-feira contra o River Plate em Buenos Aires, pela semifinal da Taça Libertadores da América. ?Em tudo na vida é necessário ter uma estratégia. Estou montando a nossa.? Se é xadrez, o primeiro lance foi dado por Leonardo Astrada, técnico do River. Na quinta-feira, ele afirmou que seu time encurralará o São Paulo debaixo de um dos gols e assim conseguirá a vitória. Diante da promessa de sufoco total, Paulo Autuori mudou sua idéia inicial. Ele, que sempre considerou Souza uma ótima opção de banco, resolveu escalá-lo desde o início da partida. ?Eles vão querer nos sufocar e temos de reagir. A intenção é fazer com que a disputa pela bola se faça o mais longe possível de nossa área. Com o Souza em campo, fazemos com que o lateral Domínguez não apóie como costuma fazer quando o River joga em casa.? O treinador leva em conta a vantagem adquirida. Não sofreu gol no Morumbi e isso pode contar muito. Pode ser decisivo. ?Não vamos desistir da vontade de fazer um gol. Vamos procurar sempre. Isso é importante demais.? Se fizer um gol, o São Paulo só será eliminado se Rogério Ceni sofrer quatro.Para o leigo, a estratégia pode parecer complicada. Afinal, no primeiro jogo, em casa, quando precisava ganhar, ele começou com Mineiro na lateral. E agora, que pode até perder, entra com Souza e sacrifica Renan. Autuori explica. ?Justamente por poder perder por um gol é que vou colocar o Souza em campo. Se for preciso defender, ele pode sair depois, sem problemas.? Há uma outra opção guardada por Autuori em caso de o São Paulo precisar segurar um resultado na fase final do segundo tempo. ?Posso tirar um dos dois atacantes, o que estiver mais cansado, e colocar o Renan. Nesse caso, o Danilo pode se adiantar um pouco.? Autuori aposta em um cansaço do River no segundo tempo. ?Eles precisam do resultado e vão correr muito atrás dele. Se conseguirmos segurar durante um bom tempo, o desespero aumenta e isso traz cansaço. Temos boas opções para essa situação também.? Para vencer no futebol, independentemente se a metáfora remete a xadrez ou guerra, é preciso estar mentalmente forte. E Autuori tem certeza de que seu time não falhará nesse quesito. ?Temos conversado muito e vamos falar ainda mais. Todo mundo sabe que não terá vida fácil dentro de campo nem fora. Mas nós estamos preparados para isso.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.