São Paulo promete basta à gastança

Grandes investimentos, malabarismos financeiros para a contratação de Ricardinho: tudo parte do passado no São Paulo. Depois de abalar o mercado do futebol com contratações ousadas - gastou cerca de R$ 16 milhões só para tirar o meia do Corinthians, o presidente Marcelo Portugal Gouvêa, que assumiu o clube no início de abril, resolveu dar um basta à gastança.É bom a torcida são-paulina ir se acostumando. O time que vai disputar o Campeonato Paulista, a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro de 2003 não terá reforços de expressão. Depois de acertar com o lateral-direito Leonardo Moura, que disputou o último Brasileiro pelo Palmeiras e é dono de seus direitos federativos, o clube vai investir pouco.O técnico Oswaldo de Oliveira quer mais um zagueiro, um lateral-esquerdo e um volante. Entre os reforços, o mais conhecido deverá ser Fabiano, lateral-esquerdo do Atlético Paranaense. Para concretizar essa contratação, os dirigentes são-paulinos contam com a colaboração do empresário Juan Figer, que cuida dos interesses do jogador. Velho conhecido do São Paulo, Figer deverá facilitar para que Fabiano vista a camisa do clube na próxima temporada. O negócio deverá ser fechado até sexta-feira, quando Figer retorna da Espanha, onde foi acompanhar Real Madrid e ?Resto do Mundo?, amistoso que será disputado nesta quarta-feira.O volante Sandro, do Paysandu, pode ser contratado. Em troca, o São Paulo está disposto a ceder o zagueiro Wilson e o volante Daniel Rossi ao clube paraense. Sandro será o reserva de Maldonado, que não teve substituto à altura nas vezes em que ficou contundido no segundo semestre desse ano.Para a zaga, a diretoria também vai buscar um jogador desconhecido. Além de economizar nas contratações, a diretoria são-paulina também planeja reduzir os gastos que tem com a folha de pagamento do elenco. O zagueiro Reginaldo e o lateral-direito Rafael já foram dispensados. Além de Wilson e Daniel Rossi, que deverão ser envolvidos na negociação com o Paysandu, Gustavo Nery, Adriano, Dill, Oliveira e Leandro também não deverão ficar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.