Divulgação
Divulgação

São Paulo quer fidelizar seus torcedores e ensaia homenagem a Rogério Ceni

Segundo gerente de marketing, intenção é despertar o carinho dos fãs, independentemente do momento do time

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

28 de março de 2014 | 09h05

SÃO PAULo - O departamento de marketing do São Paulo prepara nos próximos meses um trabalho de identificação do torcedor com o clube em campanhas nas redes sociais. Segundo Gilberto Ratto, gerente de marketing do time do Morumbi, a intenção é despertar o sentimento dos fãs, independentemente do momento difícil pelo qual o clube passa - o São Paulo foi eliminado do Paulistão pelo Penapolense.

"Acabamos de criar junto com a fornecedora de material esportivo Penalty uma campanha para lidar com os bons e maus momentos do futebol, pois isso é algo que faz parte de todo time. Vamos investir na hashtag #prasempretricolor e divulgar no site, criar promoções e até fazer camisetas no futuro", diz. "O lema será "no amor e na dor, sou sempre Tricolor". A gente acredita que esse é o momento de se fazer isso."

CENI

Ratto também trabalha com um projeto de longo prazo para fazer uma festa realmente especial para o goleiro Rogério Ceni, que tem contrato até o fim do ano e pode se aposentar ao término desta temporada. "Estamos trabalhando diretamente com ele para entender efetivamente quando pretende parar. Queremos fazer uma grande despedida, mas no ano passado ele tinha falado a mesma coisa e não parou. Vamos esperar a decisão dele", diz.

O executivo lembra que algumas ações no último ano foram bastante satisfatórias e geraram boas receitas para o São Paulo, como a campanha da camisa vermelha em homenagem ao Morumbi, a camisa retrô, a ação em homenagem a Leônidas da Silva, a camisa especial para o técnico Muricy Ramalho e a camisa do atacante Aloísio dando voadora. "Para a Copa, podemos fazer algo para o Alvaro Pereira, que é da seleção do Uruguai. Vamos ver."

Ratto explica ainda que a nova camisa do São Paulo, lançada recentemente, teve participação total do departamento de marketing do clube, que deu palpite e tentou chegar a uma solução conjunta com a fabricante. "As novas camisas têm a nossa mão e tivemos boa aceitação até agora. Ouvimos as reclamações dos torcedores e mudamos os números dos uniformes. Fizemos outros ajustes também. Acho que a empresa marcou um golaço com isso."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCRogério Ceni

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.