São Paulo quer jogar igual ao São Caetano

Quem diria que, um dia, o São Paulo, duas vezes campeão do mundo e da Libertadores, iria falar em imitar o São Caetano, que ainda tem pouca tradição? Pois é esse o discurso que os jogadores vêm adotando para a estréia da equipe no Campeonato Brasileiro, nesta quinta-feira, às 20h30, contra o Atlético-PR, no Morumbi. Para os são-paulinos, o time do ABC virou um exemplo de como se deve jogar: marcando forte e atacando com velocidade. "O ideal é seguir o que o São Caetano faz, com todos atacando e todos ajudando o time a se defender", declara Luís Fabiano, que se diz otimista em bater o recorde de gols numa edição do Brasileiro. "Espero fazer 32 gols." Para isso, porém, terá de permanecer no Morumbi. Em julho, com a abertura do mercado europeu, fatalmente receberá alguma proposta tentadora. "Só saio se for para um grande clube." De acordo com o lateral-direito Cicinho, o Azulão é, hoje, modelo de time vencedor. "Todos ajudam na marcação e sabem atacar." Mas acredita que o São Paulo, embora tenha algumas características diferentes, também é competitivo e pode brigar pelo título. "A gente está fazendo mais ou menos o que o São Caetano faz", opina o técnico Cuca. A principal preocupação do elenco e da comissão técnica é manter a regularidade durante as 46 rodadas da competição. No ano passado, a equipe fez boa campanha até o início do segundo turno. Depois, porém, caiu bruscamente e terminou com mais de 20 pontos atrás do primeiro colocado, o Cruzeiro. A partir de amanhã, o São Paulo inicia uma importante maratona de jogos, que vai exigir fôlego do elenco. "Por sorte, ainda não tivemos nenhuma contusão muscular em 2004", lembra Cuca. No domingo, o time enfrenta o Criciúma, em Santa Catarina. Na semana que vem, disputa mais duas partidas pelo Brasileiro e, no dia 5, inicia a briga por vaga nas quartas-de-final da Taça Libertadores. Imbróglio - Na turbulenta política do São Paulo, o grupo do presidente Marcelo Portugal Gouvêa tenta, amanhã, cassar liminar que determina para sábado a realização das eleições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.