São Paulo reacende a luz de alerta no Palmeiras

Tricolor ganha o clássico por 2 a 0 no Morumbi, continua sonhando com o título e deixa o rival mais perto da zona de rebaixamento

Gonçalo Júnior, O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2014 | 21h28

O São Paulo mantém as chances matemáticas de tirar o título que parece cada vez mais perto do Cruzeiro. Com a vitória sobre o Palmeiras por 2 a 0, ontem, no Morumbi, o time paulista reduziu a diferença para quatro pontos (70 a 66), mas tem um jogo a mais que o líder mineiro. Agora, pegará o Santos, em Cuiabá. Para o Palmeiras, a segunda derrota seguida reacende a luz de alerta do rebaixamento. Agora, o time só tem três pontos de vantagem para a zona da degola. No próximo jogo, vai estrear a nova arena, contra o Sport. 

Antes do jogo, o técnico Muricy Ramalho disse que era difícil torcer contra quem era competente. Estava se referindo à vitória do líder Cruzeiro contra o Santos e praticamente se resignando com o segundo lugar já que a desvantagem, naquele momento, era de sete pontos. 

Essa foi a postura da equipe no início do jogo. Sem apetite, quase conformado com a luta perdida, cadenciando a troca de passes mais do que deveria, o São Paulo tomou a iniciativa, mas foi pouco efetivo. O Palmeiras assumiu a condição de visitante, esperando o erro do rival e a chance do contragolpe. O jogo ficou amarrado no meio. 

Essa água só levantou fervura perto dos 20 minutos. Primeiro, Tobio não alcançou um cruzamento perigoso na pequena área. Rogério Ceni estava vendido. Na resposta, Alan Kardec acertou uma cabeçada colocada que exigiu uma defesa elástica, com a ponta dos dedos de Prass. Tinha endereço certo. 

No lance seguinte, aos 21, a bola achou seu destino. Após um cruzamento de Hudson, Luis Fabiano contou com a falha de Nathan e finalizou: 1 a 0. 

Seu gol foi importante por várias razões. Mostrou que Muricy fez bem em conservá-lo entre os titulares, mesmo com a recuperação de Pato. Luis Fabiano fez seu 20º gol na temporada – ele é o artilheiro da equipe – e o seu 100º em edições do Campeonato Brasileiro. Também mostrou que Luis Fabiano está tentando colocar a cabeça no lugar. Ele quase tirou a camisa na comemoração, mas voltou atrás. Do ponto de vista tático, mostrou as variações da equipe da casa. O São Paulo levava perigo pela esquerda, com Michel Bastos e Ganso, e também pela direita, com Hudson e Kaká. 

Com a obrigação de atacar, o Palmeiras mostrou problemas de conexão entre o meio e o ataque. Faltava objetividade para Felipe Menezes e Wesley. Valdivia, que está com a seleção chilena, fez falta. Restou ao time verde cruzar bolas na área e, com essa arma poderia ter empatado. Aos 38, Ceni salvou com os pés a finalização de Henrique.

O técnico Dorival Junior tentou corrigir esse problema trocando Wesley por Mazinho e adiantando a marcação, sufocando a saída de bola. Também pedia mais movimentação para Diogo. Mais tarde, colocou Cristaldo no lugar de Felipe. 

Nos primeiros quinze minutos, o plano funcionou. Rogério Ceni pedia desesperadamente que o time São Paulo saísse da defesa. Sentia que o empate era iminente. Muricy também mexer seu tabuleiro. Trocou Kardec por Reinaldo e deslocou Michel para jogar mais à frente. Abriu espaço até para o retorno de Pato – depois de oito rodadas – no lugar de Luis Fabiano. Todas essas mudanças influenciaram o porcentual da posse de bola, deixaram um time um pouco mais dinâmico que outro, mas tiveram pouco reflexo nas chances efetivas.

O que realmente resolveu o jogo foi a velha bola parada, a carta na manga de Muricy Ramalho. Aos 33, Edson Luiz desviou e Rafael Toloi encheu o pé para manter o São Paulo vivo no torneio e deixar intacto o tabu entre as duas equipes. Há 12 anos (22 jogos), o São Paulo não perde para o rival no Morumbi.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 2 X 0 PALMEIRAS

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Hudson, Rafael Toloi, Edson Silva e Michel Bastos; Souza, Denilson, Kaká (Osvaldo) e Ganso; Luis Fabiano (Alexandre Pato) e Alan Kardec (Reinaldo). Técnico - Muricy Ramalho.

PALMEIRAS - Fernando Prass; João Pedro, Nathan, Tobio e Juninho; Marcelo Oliveira, Victor Luis, Wesley (Mazinho) e Felipe Menezes (Cristaldo); Diogo (Allione) e Henrique. Técnico - Dorival Júnior.

GOL - Luis Fabiano, aos 21 minutos do primeiro tempo; Rafael Toloi, aos 33 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Marcelo Aparecido de Souza (SP).

CARTÕES AMARELOS - Edson Silva, Alan Kardec e Souza (São Paulo); Fernando Prass e Cristaldo (Palmeiras).

RENDA - R$ 992.285,00.

PÚBLICO - 36.850 pagantes.

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.