Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

São Paulo reclama de arbitragem após derrota para o Flamengo

Time questiona a marcação e a repetição do pênalti, mas ainda acredita no título do Campeonato Brasileiro

Leonardo Maia, Agencia Estado

10 de outubro de 2009 | 19h57

Com o título cada vez mais longe, o discurso são-paulino após a derrota para o Flamengo, por 2 a 1, neste sábado, no Maracanã, girou em torno da arbitragem de Wilton Pereira Sampaio, de Brasília. O técnico Ricardo Gomes e os jogadores reclamaram muito da marcação do pênalti de Jorge Wagner sobre Toró e, principalmente, da repetição da cobrança, depois que Rogério Ceni defendeu o chute de Petkovic.

Veja também:

linkJOGO - Leia como foi Flamengo 2x1 São Paulo 

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Agora é torcer contra o Palmeiras [que encara o Náutico nesta segunda-feira, no Recife]. Se a arbitragem não nos prejudicar ainda temos chances", reclamou o atacante Washington. "Mandar voltar a cobrança do pênalti foi uma brincadeira."

Já Ricardo Gomes teve o cuidado de reconhecer a superioridade do adversário, mas também fez muitas queixas ao árbitro. "O Flamengo foi melhor que o São Paulo, mas foi o juiz quem decidiu o jogo. O pênalti não existiu e o Rogério não se adiantou. Ele manteve o pé de apoio sobre a linha", ressaltou o treinador.

A lamentação maior de Ricardo Gomes foi o fato de a distância para o líder Palmeiras poder chegar a oito pontos com nove rodadas para o fim. Conquistar o tetracampeonato consecutivo ficou realmente muito complicado.

"Precisaríamos tirar quase um ponto por jogo. Vai ser muito difícil. Nossa margem de erro, que já era muito pequena, agora é zero. Teremos que ser perfeitos", observou o técnico, que também admitiu a dificuldade pela vaga na Libertadores. "Disse há três meses que seis equipes estariam na briga até o fim. O Palmeiras abriu uma boa vantagem, mas fora isso são muitos na luta pela Libertadores. Não tem nada definido."

Ainda segundo Ricardo Gomes, a ausência da zaga titular - André Dias, contundido, e Miranda, na seleção brasileira - acabou equilibrando-se ao desfalque de Adriano no Flamengo. Em sua análise, a equipe se postou muito atrás, o que não é de sua característica. "Não sabemos jogar assim. Nosso meio demorou a sair da defesa. Nosso time estava desfigurado", lamentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.