Rubens Chiri/saopaulofc.net
Rubens Chiri/saopaulofc.net

São Paulo reclama na FPF de 'atuação calamitosa' de árbitro após empate

Time tem dois gols anulados e dois pênaltis não marcados no duelo com o Novorizontino que terminou em 1 a 1

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2020 | 23h34

A atuação do árbitro Flávio Roberto Mineiro Ribeiro no duelo do São Paulo com o Novorizontino, no Morumbi, pelo Campeonato Paulista, deixou a equipe tricolor inconformada. Entre outros erros, ele deixou de marcar dois pênaltis e validou os impedimentos apontados pelo auxiliar que culminaram em gols de Alexandre Pato - nas imagens de TV, é possível ver que o atacante não estava em posição irregular. A partida desta segunda-feira terminou em 1 a 1.

"Já entramos em contato com a Federação Paulista de Futebol. O absurdo que aconteceu aqui seus membros vão ser os primeiros a reconhecer. Não foi um erro. O mais revoltante foi o contexto geral. Foram dois gols, pênaltis, faltas, algo revoltante, que vai enervando os jogadores e pode resolver o mando de jogo em uma próxima fase. O São Paulo não aceita. Vamos tomar as medidas necessárias", reclamou Raí, executivo de futebol do clube, bastante irritado.

"O VAR nem fez falta. Foi uma atuação calamitosa do árbitro. É uma pré-temporada, todo um trabalho sério, com os jogadores se dedicando ao máximo, e alguns saíram até machucados. Foi um nível que não se pode aceitar. Isso não pode acontecer em nível de jogo como esse. É um desrespeito ao torcedor, ao atleta. Foi uma vergonha para todo o contexto do futebol, para a federação. Podia muito bem ter sido evitado", continuou.

Para o técnico Fernando Diniz, a arbitragem prejudicou o São Paulo e os três pontos que o time poderia ter ganhado. "Atrapalhou muito. Foram quatro lances que poderiam ter resultado em gols. Dois legítimos e outros dois pênaltis. Pelo menos um deles muito claro, do Vitor Bueno. Outros lances de falta existiram. A arbitragem foi extremamente confusa. Quando a arbitragem penaliza muito um time, o futebol empobrece. Talvez quem tenha sido o destaque da partida foi a arbitragem", disse Diniz.

Ele reclamou principalmente do segundo gol de Alexandre Pato, que foi anulado por impedimento inexistente. "O bandeira não tinha anulado, foi o árbitro que anulou. Ele teve tanta convicção em anular o gol e todo mundo teve muita convicção de que foi gol legítimo. Foi um erro muito grosseiro. Não foi um erro normal. Só o árbitro que não teve dúvida em anular. Mas o bandeirinha deu gol normal", afirmou.

Diego Lugano, diretor de relações institucionais do São Paulo, também esbravejou contra Flávio Roberto Mineiro Ribeiro, que logo ao fim do primeiro tempo sorri para seus auxiliares em imagem captada pelas câmeras de televisão. "Noite de bom futebol e má 'sorte'. Anulação de dois gols muito legais. Fáceis de apitar. Dois pênaltis da mesma forma evidentes. Fora o sorriso injustificável no rosto", escreveu em seu perfil no Twitter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.