Divulgação
Divulgação

São Paulo reformula sócio-torcedor e espera 50 mil novas adesões

Clube elabora cinco novos planos e até moeda própria

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

07 de maio de 2015 | 07h00

O São Paulo vai anunciar na próxima semana mudanças ambiciosas nos programas de sócio-torcedor. O clube vai lançar cinco novas modalidades, oferecer benefícios, instituir uma "moeda interna" para praticamente dobrar o número de participantes até dezembro. Essa é a intenção.

Nos últimos cinco meses, a diretoria tricolor fez pesquisas e comparou os pontos positivos dos programas de outros clubes para elaborar uma proposta final adequada ao São Paulo. "Temos 54 mil sócios em dia, mas nosso cadastro é de 105 mil pessoas. Queremos conseguir a reativação de todos eles até dezembro", disse o vice-presidente de marketing e comunicações do clube, Douglas Schwartzmann.

O São Paulo conta atualmente com apenas três programas do sócio-torcedor, o mais caro deles tem a mensalidade de R$ 100. Com as mudanças, serão ao todo oito planos, com valores que variam entre R$ 19 e R$ 490. Nesse último, o torcedor do São Paulo vai ter como principais vantagens ganhar camisa oficial e, para os jogos, além de não precisar pagar ingresso,  poderá levar acompanhante e ficar no Morumbi em uma área nobre e com buffet.

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

Toda a operação das modalidades do programa ficará sob responsabilidade do São Paulo, que dispensou empresas terceirizadas. Outra grande aposta é na fidelização do tricolor. "Vamos criar uma espécie de moeda interna, que será chamada de Tricolor. O acúmulo dela vai possibilitar a troca por premiações, como compras, viagens e experiências com o time", explicou o dirigente. No futuro, os mais assíduos aos jogos vão ter a chance de conhecer de perto os jogadores e visitar o gramado do Morumbi, por exemplo.

O São Paulo também vai tentar estabelecer parcerias com empresas para oferecer descontos aos torcedores que participarem do programa. As mudanças serão direcionadas para contemplar com vantagens torcedores que morem em outros Estados do Brasil. O clube do Morumbi criou o programa de sócio-torcedor em 1999, mas nos últimos anos passou a ser superado pelos rivais nesse segmento. Em 2015 o Tricolor também tem investido em outras estratégias para se aproximar dos são-paulinos, como oferecer a chance de jogar com Rogério Ceni. Em junho, o goleiro vai se revezar em diferentes times para atuar no Morumbi ao lado de 44 torcedores, que pagaram R$ 4,8 mil cada para o evento.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.