São Paulo renova com Rogério Ceni até agosto do ano que vem

Presidente do clube paulista, Carlos Miguel Aidar, faz o anúncio no começo da tarde desta sexta; jogador fica até o fim da Libertadores

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2014 | 13h04

Rogério Ceni renova contrato com o São Paulo até o dia 5 de agosto. O anúncio foi feito pelo presidente do clube, Carlos Miguel Aidar, que veio ao CT divulgar a novidade. "Faz cinco minutos que conversamos e renovamos o vínculo para que ele possa disputar mais uma Libertadores", afirmou o presidente. Com isso, o goleiro finalmente revelou sua posição nesta sexta-feira e pôs fim à forte onda de especulações sobre o que faria após o término da temporada.

Rogério Mücke Ceni nasceu em 22 de janeiro de 1973 em Pato Branco (PR), mas se mudou ainda menino para Sinop (MT), onde começou a jogar na equipe local enquanto dividia o dia como auxiliar de escritório no Banco do Brasil. Terceiro goleiro no elenco, viu a sorte sorrir quando o titular e o reserva se machucaram e assumiu a titularidade para levar a equipe ao título estadual em 1990, mesmo ano em que chegou ao São Paulo.

Estreou em 25 de junho de 1993 em amistoso contra o Tenerife, mas só herdaria o posto de titular quatro ano depois, quando Zetti se transferiu para o Santos. Em 25 de fevereiro de 97 marcou seu primeiro gol de falta, na vitória sobre o União São João por 2 a 0 no Campeonato Paulista. Os gols seriam uma marca registrada que perduraria por toda a carreira; até hoje Ceni marcou 123 vezes.

Demolidor de recordes - maior goleiro-artilheiro da história, jogador que mais vezes vestiu a camisa do mesmo clube (1.183 jogos), entre dezenas de marcas -, Rogério teve seu pior momento no clube em 2001 quando apareceu com uma suposta proposta do Arsenal. Afastado pelo ex-presidente Paulo Amaral, quase deixou o clube, mas acabou permanecendo para escrever seu nome como maior jogador da história do clube.

O ápice viria em 2005, quando comandou o time na conquista dos tricampeonatos da Libertadores e do Mundial de Clubes, com direito a uma atuação antológica na final contra o Liverpool quando fez uma série de milagres e garantiu a vitória por 1 a 0.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.