São Paulo: Roger já pode estrear sábado

A diferença entre a Ponte Preta, clube que defendia até poucos dias atrás, e o São Paulo, já ficou clara para o atacante Roger. "Quando cheguei para falar com vocês, me assustei com tanta gente e tantas câmeras de televisão", confessou o jogador de 20 anos aos repórteres que acompanham o dia-dia do clube. "Em Campinas, o assédio não é tão grande. Aqui em São Paulo, já fui reconhecido até num passeio pelo shopping." Apesar disso, a nova contratação do time para a Taça Libertadores e o Brasileiro - usará a camisa 12 - garante que está à vontade. "Fui muito bem recebido, especialmente pelo Rogério Ceni e o Grafite", contou. Como o técnico Paulo Autuori avisou que vai poupar vários titulares para o duelo contra o Cruzeiro, sábado, no Morumbi - entre eles podem estar Fabão, Mineiro, Grafite e Luizão -, Roger deve ter a primeira chance no novo time. "Disse a ele que se precisar, pode contar comigo. Estou bem fisicamente, joguei pela Ponte Preta no sábado." COBRANÇAS - Revelado nas categorias de base do time de Campinas, Roger admite que se surpreendeu com os novos rumos da carreira. "Em um ano e meio como profissional, não correspondi ao que a torcida esperava, mas em cinco meses comecei a fazer gols e tudo mudou", comentou o atacante, que marcou 14 gols este ano - 9 no Paulista e 5 no Brasileiro. "Para quem não acreditava no Roger, cheguei a um clube grande", comparou o jogador, que gosta de falar de si mesmo na terceira pessoa e foi bastante cobrado pelos torcedores da Ponte Preta no ano passado. "Pegavam no meu pé porque o time era muito instável." Despertou o interesse do São Paulo quando marcou os dois gols da vitória da Ponte Preta por 2 a 1 sobre o time do Morumbi, dia 9 de abril. "Era quase impossível vencermos o São Paulo. Aqueles gols ajudaram", admite. O atacante de 1,87 metro diz que suas características técnicas se assemelham às de Grafite. "Gosto de jogar fora da área, mas também sei jogar mais fixo", conta. "Atuo do jeito que o treinador pedir, respeito todos os atacantes do São Paulo, mas quero buscar meu espaço", disse o jogador, que evitou qualquer comparação com o conterrâneo Luís Fabiano, que fez sucesso no São Paulo. "Ele é um ídolo. Não vim para substituir ninguém", resumiu. Contra o Cruzeiro, além dos jogadores que serão poupados, o São Paulo não terá o volante Josué, que está suspenso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.