São Paulo: Roger não quer mais a reserva

Roger jogou bem contra o Figueirense na vitória do São Paulo por 2 a 0. Fez um milagre contra o Criciúma e salvou o time no empate por 1 a 1. Qual foi o prêmio? Prestígio e só. Roger não suporta mais ser o eterno reserva do goleiro Rogério, que, desde a saída de Zetti, assumiu a condição de titular e nunca mais deixou a camisa 1. ?Posso fazer chover, fazer defesas que ninguém faz, mas nunca vou ser titular?, desabafou Roger, que prefere deixar o clube, se receber uma boa proposta. O goleiro, de 30 anos, acha que tem condições de ser titular em outros grandes times e gostaria de aproveitar a boa fase que está vivendo. Mas sabe que no São Paulo só jogará se Rogério estiver suspenso, machucado ou na seleção brasileira. Recuperado de contusão, Rogério defenderá o São Paulo contra o Fortaleza, nesta quinta-feira, no Morumbi. Roger ainda pode disputar o Brasileiro por outra equipe contanto que não atue mais pelo São Paulo. Por isso, estuda a possibilidade de pedir para não ficar no banco contra os cearenses. Afinal, se precisar entrar no decorrer do jogo, perderá a oportunidade de mudar de ares. O técnico Oswaldo de Oliveira não concorda que Roger só não é titular porque Rogério é intocável e tem liderança no grupo. ?Não é assim, o Rogério é mais completo que ele.? O São Paulo não chegou a um acordo com o Santos para trocar Gabriel por Preto. O lateral segue, assim, no Morumbi, de empresário novo, por causa do desentendimento entre seu pai e procurador, Wladimir, com o presidente Marcelo Portugal Gouvêa. Quem passa a cuidar de seus contratos é Luis Taveira. Gabriel não quis conversar com a imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.