Marcos Brindicci - Reuters - 14/12/2014
Marcos Brindicci - Reuters - 14/12/2014

São Paulo se acerta com o Racing e contrata atacante Centurión

Tricolor pagará cerca de R$12 milhões para o jogador, que deve chegar neste sábado ao Brasil para fazer exames médicos

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

30 de janeiro de 2015 | 15h32

O São Paulo acertou, nesta sexta-feira, a tão sonhada contratação de um homem de velocidade, capaz de jogar pelas pontas do campo. Trata-se do argentino Centurión, de 22 anos, revelação do Racing e autor do gol que levou a equipe de Avellaneda ao título argentino na última temporada.

Para comprar 70% dos direitos do jogador, o São Paulo elevou um pouco a proposta inicial e pagará 4,2 milhões de euros (R$12,6 milhões) pelo atleta. A oferta inicial havia sido de 4 milhões de euros.

"Chegamos a um acordo. O preço por 100% (dos direitos) era de seis milhões de euros; fechamos por 70%. Ele viaja no máximo amanhã para fazer exames médicos", disse ao Estado o presidente do Racing, Victor Blanco.

O clube paulista ofereceu um contrato por quatro temporadas ao garoto com um salário na casa de R$200 mil, valor seis vezes maior do que ganhava na Argentina, e rapidamente fechou acordo. A negociação com o Racing, porém, foi mais difícil, ainda que a diretoria do clube argentino sempre tenha dito que não desejava impedir o desenvolvimento do jogador.

Comparado a Di María pelo estilo driblador, Centurión chega para jogar pelos lados do campo, um pedido explícito de Muricy Ramalho, que elogiou muito as qualidades do novo reforço.

"Chama atenção pela velocidade e pelo drible, que hoje é raro no futebol. Não se dribla mais e precisamos desse jogador. Ele oscilou um pouco no começo, por ser muito jovem, mas tem o perfil que estávamos buscando", analisou Muricy.

Adrian Ricardo Centurión foi formado na base do Racing e começou a aparecer em 2012, assumindo rapidamente a titularidade. No ano seguinte, foi emprestado ao Genoa, da Itália, mas não vingou, voltando para Avellaneda. Apesar de não fazer muitos gols, fez o que encerrou o jejum de títulos do clube, em dezembro passado. O jogador já se despediu dos companheiros e fala em um dia voltar ao clube que o revelou.

"(Diego) Cocca (treinador) disse que contava comigo, mas disse que respeitava minha decisão como jogador. Coloquei tudo na balança; é claro que ele não gostou que eu vou embora, mas me apoiou. Desta vez é diferente de quando fui para o Genoa; quero jogar tudo o que sei", disse Centurión à TyC Sports.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.