São Paulo se contenta com empate em Goiás

A comissão técnica do São Paulo fez uma análise fria do futuro do time no Campeonato Brasileiro. Restam dez partidas. Os cálculos apontam que dos 30 pontos a serem disputados, o clube, quarto colocado com 61 pontos, precisa de pelo menos 17 para assegurar a classificação entre os cinco primeiros que disputarão a Copa Libertadores da América do ano que vem. Há partidas cujas vitórias são obrigatórias, outras com grandes possibilidades de pontuar. E outras que são consideradas dificílimas.O jogo deste sábado, às 16 horas, contra o Goiás, no estádio Serra Dourada, em Goiânia, é considerado um dos mais complicados no planejamento. Ainda mais porque Luís Fabiano, que cumpre suspensão pela expulsão contra o Corinthians, Gustavo Nery e Alexandre, ambos contundidos, e Lugano, também suspenso, não poderão jogar. Os três pontos da partida não estão contabilizados entre os previstos para a classificação do time."Vamos lutar para a vitória. Mas não dá para negar: pela atual situação do Goiás, o que pudermos trazer de lá será lucro. Os jogos que consideramos obrigatórios serão os cinco no Morumbi. Depois, mais uns dois empates nas partidas que faremos fora e pronto. Não há porque esconder isso. Nosso plano é este mesmo", revela o auxiliar-técnico e responsável pela estratégia do time, Milton Cruz."A iniciativa será do Goiás, por jogar em casa. Nós teremos de marcar muito forte e contra-atacar em velocidade. Acredito que esta é a melhor maneira de enfrentá-los. Ainda mais que perdemos a referência no ataque, o Luís Fabiano", acredita Rojas.O treinador perdeu a paciência com as falhas de Júlio Santos e resolveu apostar no jovem Edcarlos, de 18 anos. Adriano substituirá Alexandre e atuará preso, como um terceiro zagueiro. Na frente, sem o talento de Luís Fabiano, a aposta é na velocidade de Kléber e no oportunismo de Diego Tardelli.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.